Católicos no Brasil estão apreensivos com uma notícia divulgada nesta segunda-feira (10), no site do Jornal O Estado de São Paulo, pelo colunista Gustavo Chacra. Segundo o jornalista, radicais extremistas ligados ao Estado Islâmico e a outras organizações terroristas estão planejando matar o Papa Francisco.

A investida estaria sendo planejada para acontecer no fim deste mês, durante uma visita de Francisco ao Egito. O país, que é aliado dos Estados Unidos, foi palco recentemente de outro atentado, que matou mais de 40 pessoas no último domingo (9). Elas participavam de missas em igrejas (uma no delta do Nilo e outra na Alexandria), quando homens bombas invadiram os recintos e detonaram explosivos.

Publicidade
Publicidade

Chacra explica que as fragilidades e deficiências na segurança do país, comandado pelo autocrata Abdel Fatah al Sissi, favoreceriam os planos dos extremistas. O atentado há dois dias, que mirou exatamente cristãos que estavam professando sua fé, seria uma prova clara de que o governo não tem força para proteger seus habitantes cristãos.

Apesar dos temores, o líder católico não deverá desmarcar a viagem, que considera extremamente necessária para se solidarizar com as o povo egípcio diante da recente tragédia. Inclusive, a ideia de Francisco é tentar se encontrar tradicionais autoridades islâmicas do país, que estariam condenando os ataques.

O que não se sabe é se Francisco vai abrir mão de algumas medidas de segurança mais rigorosas, como faz em alguns países. Quando esteve no Rio de Janeiro, por exemplo, ele se recusou a adotar algumas destas proteções.

Publicidade

Caso esse ataque se confirme, findam-se as esperanças de entendimento religioso no Planeta. Ele escreve que o assassinato do maior líder cristão pelas mãos de jihadistas em um território com maioria islâmica geraria impactos por muitas décadas na maneira como cristãos ocidentais enxergarão a comunidade muçulmana.

É importante deixar claro que um grupo terrorista não representa a religião que ele diz defender.

Por todos esses fatores, o articulista defende que os organizadores da viagem de Francisco cancelem a visita.

Começaram as especulações para saber se o Papa pensa em desistir. Mas ao que tudo indica, ele não admite essa hipótese. O Vaticano inclusive divulgou nota nesta segunda-feira (10) reafirmando que a viagem está mantida para os dias 28 e 29 de abril e não há qualquer dúvida sobre isso. #Crime #Casos de polícia