Dois homens e um adolescentes foram presos, no sábado (15), em #Congonhal, no Sul de Minas Gerais, acusados de violência sexual contra uma menina de 9 anos, que é enteada do acusado mais velho e irmã dos outros dois. Os acusados não tiveram seus nomes revelados pela polícia para proteger a identidade da vítima.

Para as autoridades locais, eles são os principais suspeitos de ter estuprado a menina. A mãe da também foi presa, pois ela sabia que a vítima era abusada sexualmente pelos próprios irmãos, um de 16 e o outro de 21 anos, e pelo seu esposo, padrasto da vítima, que tem 26 anos.

Segundo informações passadas pela Polícia Civil, a vítima estava na casa de sua madrinha e, em determinado momento, começou a acariciar o órgão genital do filho dela, um garotinho de 8 anos.

Publicidade
Publicidade

A mulher, ao presenciar aquela cena, questionou a menina porque ela estava tocando no filho.

Em resposta, a vítima disse que ela era obrigada a fazer o mesmo nos seus dois irmãos e no seu padrasto. Diante dos fatos, a mulher acionou a polícia relatando que uma criança estava sendo vítima de violência sexual praticada pelos próprios familiares.

De imediato, a polícia foi até o local informado, onde foi confirmado a veracidade dos fatos. A menina disse para os policiais que era levada para um quarto lá era abusada sexualmente pelos acusados. Ainda de acordo com a vítima, os abusos ocorriam todos os dias sempre da mesma forma sempre que sua mãe saia para o seu trabalho.

A menina ainda relatou para os policiais que os seus irmãos já abusavam dela há mais de três anos. Segundo a vítima, quando ela foi abusada sexualmente pelos irmãos ela relatou o caso para a sua mãe.

Publicidade

Mas a mãe, que tem 37 anos, não relatou o caso para a polícia, apenas disse para os suspeitos que iria expulsá-los de casa, caso acontecesse novamente.

Conforme informações da polícia, o padrasto da vítima em outra ocasião já havia sido preso pelo mesmo crime contra a mesma vítima, na época ela tinha apenas 2 anos. Na ocasião, ele ficou detido por 5 meses e 15 dias em Brasília, mas, segundo ele relatou, foi absolvido do crime.

Na residência onde acontecia os abusos, além da vítima, moram mais três irmãs mais novas e ambas foram levadas para realizarem exames para saber ser elas também foram abusadas pelos acusados.

Como o padrasto está desempregado e ficava com as meninas em casa, a polícia suspeita que ambas possam ter sido abusadas, mas apenas os exames podem afirmar ser elas sofreram algum tipo de abuso. O padrasto, a mãe e os irmãos da vítima foram presos e encaminhados para a Delegacia de Pouso Alegre, que está investigando o caso. #Estupro #Investigação Criminal