Quanto pode custar um 'não' em uma balada? A jovem #Paloma Brandão, de 24 anos, pagou com a vida. O #Crime aconteceu no ano passado, mas teve destaque no Cidade Alerta desta terça-feira (11), pois os suspeitos ainda estão foragidos. Ela morava na Ilha do Governador, no Rio de Janeiro, era casada, mas seu relacionamento não ia bem. Ela decidiu se separar e voltar para a cidade de Rio das Ostras, para ficar próxima à família.

Paloma retomava a vida junto de seus familiares."Estávamos ajudando a terminar a obra na casinha dela, pra ela sair do aluguel. Estava em busca de um emprego, tentando se reerguer né", relata Patrícia Alves Rafael, irmã da vítima.

Publicidade
Publicidade

No dia do crime, a jovem estava muito feliz, ela tinha feito uma limpeza na casa onde iria morar e enfim sair do aluguel. Depois de um dia de muito trabalho, os amigos a chamaram para se divertir. Então eles foram para uma casa de festa da cidade, passaram a madrugada bebendo e se divertindo.

No fim da balada, um homem queria ficar a força com Paloma. Ela reagiu e jogou um copo de cerveja no rosto dele. Uma pequena confusão se formou e depois ele sumiu. A jovem e os amigos foram embora, e acreditando que estava tudo bem, pararam no Centro da Cidade.

O homem rejeitado na boate tinha sede de vingança. Ele procurou pela jovem e seus amigos por toda cidade. Até que ele encontrou o grupo de amigos parado fazendo um lanche. E foi nesse momento que o homem rejeitado passou em um carro e fez vários disparo em direção a jovem.

Publicidade

Os tiros acertaram Paloma e um amigo dela, os dois morreram no local.

Outro amigo da vítima, Marcos Wesley Barbosa Bastos, de 28 anos, foi atingido no braço. Os suspeitos de cometerem o duplo homicídio foram identificados pouco tempo depois. A polícia conseguiu as imagens de uma câmera de monitoramento e identificou Daniel da Cunha Silveira e José Átila Coqueiro Dias como sendo os atiradores. Os dois são naturais de Nova Friburgo, Região Serrana do Rio. Eles estão foragidos.

A irmã da vítima vem a delegacia da cidade onde o caso foi registrado com frequência para obter informações e acompanhar a #investigação. Mas segundo ela as buscas pelos os suspeitos seguem a passos lentos. "A cada dia aparece um caso diferente, outras mortes e eles não tem como parar e ir dá prioridade para esse caso', desabafa Patrícia.

Um mandado de prisão já foi expedido contra os criminosos, pelo o crime de homicídio qualificado. A polícia do Rio das Ostras já fez buscas pelas cidades vizinhas, mas não encontrou os suspeitos. A delegada suspeita que os dois tenham mudado de aparência para dificultar a identificação.

Paloma deixou dois filhos, uma menina de 6 anos e um menino de 2. O crime está perto de completar um ano, e tudo que a família da jovem deseja é que os assassinos sejam presos.