A Delegacia Especializada do Meio Ambiente (Dema) de Cuiabá indiciou e pediu nesta quarta-feira (19) a prisão do estudante de odontologia Hemerson Fernandes Pedroso, por ter abusado sexualmente de sua cachorrinha de estimação. Hemerson não só abusou, como também fez um vídeo em sua antiga casa, no bairro Jardim Industriário- Cuiabá, MT, e compartilhou com amigos nas redes sociais. O vídeo ganhou grande repercussão e causou revolta da sociedade e de diversas ONGs de proteção aos animais.

Publicidade

O delegado Gianmarco Paccola Capoani, após tomar conhecimento do vídeo, que ainda circula nas redes sociais, iniciou as investigações para identificar o meliante que aparece nas imagens.“Os trabalhos se prolongaram por toda a noite de quarta-feira até a manhã desta quinta-feira (20), com a representação do pedido de prisão do rapaz", disse o delegado.

“Para os amigos que ainda não tinham visto o meu vídeo, essa é a minha cachorra ‘Branquinha’. Ela sempre aguenta tudo. É impressionante, ela aguenta tudo. Muito gostosa. Ela está no cio. Gostosa demais”, disse o estuprador, enquanto cometia o ato, e gravava para repassá-lo. Residente no Pedra 90 em Cuiabá-MT, o meliante irá responder por crimes de maus-tratos e associação criminosa. Segundo a Polícia Civil Hemerson seria membro de um grupo de zoófilos – pessoas que têm atração e envolvimento sexual com animais. Com isso, policiais buscam identificar outros integrantes do grupo, que além de abusar, compartilham entre eles vídeos polêmicos.

Segundo informações, Hemerson teria fugido de casa na noite de quarta-feira, quando soube que o vídeo vazou, e já estava sendo procurado pela polícia local. No pedido de prisão, o delegado ainda ponderou a repercussão social das "cenas criminosas filmadas pelo próprio indiciado e publicadas posteriormente nas redes sociais, que geraram repugnância maciça na sociedade".

A Polícia Civil destacou ainda a necessidade de um mandado de busca e apreensão para coleta de provas, como computadores e/ou celulares, além da coleta dos depoimentos de testemunhas que confirmaram o indício de envolvimento de outras pessoas através da rede social de Hemerson, bem como o resgate de animais que possam estar no endereço do indiciado.

Denúncia

A polícia pede para quem tiver informações sobre o procurado, entrar em contato no 197 ou 181. A denúncia pode ser feita de modo anônimo. #Crime #Casos de polícia