Uma medida #Polêmica e contraditória para muitas pessoas, mas válida, para não faltar ao trabalho em dia de #Greve geral no país foi tomada por funcionários da prefeitura regional de Pinheiros, em São Paulo, decidiram dormir no trabalho para não perder o dia de serviço nesta sexta-feira (28).

A notícia foi veiculada no jornal Folha de São Paulo e também em vídeo, divulgado pelo próprio prefeito regional de Pinheiros, Paulo Mathias que afirmou que é "a favor do direito à greve, mas não em dia de trabalho".

Ele fez questão de anunciar que seus funcionários da área de manutenção da prefeitura iriam dormir no trabalho para não perder o dia de trabalho, já que nesta sexta-feira, haverá uma paralisação geral dos transportes públicos em várias cidades, inclusive na cidade de São Paulo.

Publicidade
Publicidade

Na gravação, Mathias afirmou que foi pego de surpresa e emocionado com a atitude de seus funcionários em deixar suas famílias e passar a noite no local de trabalho.

No vídeo, ele citou o exemplo de seu João, que mora na cidade de Ibiúna, a 50 quilômetros de São Paulo. Ele disse que certamente ele não conseguirá chegar ao trabalho, caso retorne a sua casa.

"O seu João para vocês terem uma ideia mora em Ibiúna, a mais de 50 km de São Paulo, e não vai conseguir vir para cá porque algumas pessoas resolveram atrapalhar a vida dos outros".

Para concluir o vídeo, Paulo Mathias afirmou: "aqui na Prefeitura de Pinheiros, amanhã é dia de trabalho".

Assista ao vídeo publicado por Paulo Mathias.

Greve Geral

A greve geral que ocorrerá nesta sexta-feira está sendo orquestrada pelas centrais sindicais e as Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo.

Publicidade

A paralização será contra as reformas da Previdência e Trabalhista que estão sendo discutidas no Palácio do Planalto em Brasília. A mobilização promete afetar serviços essenciais para a população em diversos cidades brasileiras, principalmente nas grandes capitais dos estados brasileiros.

Até o momento, as categorias profissionais de maior relevância que já confirmaram a adesão a greve geral desta sexta-feira são: os aeroviários, os motoristas e cobradores de ônibus, os ferroviários da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), os professores da rede privada e da rede estadual, os bancários paulistas, os trabalhadores de hospitais públicos, as forças de segurança do Rio de Janeiro, servidores do Poder Judiciário, Petroleiros, enfim, uma gama de categorias de diversos estados brasileiros. #Manifestação