Bruno Borges, de 24 anos, sumiu na cidade onde mora, a capital do estado do Acre, Rio Branco. Sua família está desesperada e quer saber onde ele foi parar. A última vez que o jovem foi visto foi na segunda-feira passada, 27. Desde então, começou o mistério. Isso porque o sumiço de Bruno, que é estudante de psicologia, é bem fora do normal. O fato que é investigado pela polícia se tornou nesta terça-feira, 4, o tema mais comentado do Twitter, no Brasil. A tag Acre brigou com outros assuntos populares no microblog de 140 caracteres. Tanta repercussão tem um motivo. Antes de sumir, o estudante deixou 14 livros criptografados e escritos à mão.

A polícia foi até à casa do estudante universitário e se surpreendeu com o que encontrou no local.

Publicidade
Publicidade

Um vídeo mostra como o quarto do rapaz é. Imagens de alienígenas e símbolos agnósticos estão espalhados por todos os locais. No meio do quarto, há uma estátua, de tamanho real, do filósofo Giordano Bruno. O item, segundo especialistas, teria custado entre sete e vinte mil reais. Ao ver os quatorze livros escritos à mão e com códigos, a polícia os tomou posse. Eles estão divididos em números romanos, que vão do I ao XIV, ou seja, do 1 ao 14.

Mãe fala em mudanças após desaparecimento misterioso

O delegado Fabrizzio Sobreira está à frente do caso que, por enquanto, é tratado em sigilo. Uma das páginas dos quatorze livros foi divulgada na internet e, rapidamente, milhares de pessoas começaram a tentar decifrá-la, como se tudo não passasse de um grande jogo. Já há até um site para ajudar a decifrar o que está escrito em tanto conteúdo.

Publicidade

A mãe nega que o filho tenha problemas mentais. Ela diz que o garoto sempre foi iluminado e que nasceu para prover uma grande mudança na sociedade, que apenas começou.

Veja abaixo o vídeo que mostra o quarto misterioso do garoto que está desaparecido:

Na sua opinião, o que pode explicar o sumiço do rapaz? Deixe o seu comentário. A sua opinião é sempre importante para todos nós e ajuda no diálogo de temas relevantes para a sociedade. #Crime