Foi presa, nesta sexta-feira (21), a dona de casa Geni Sins, de 54 anos. A mulher teve a prisão preventiva decretada por suspeita de participação no assassinato da própria filha, Francine Matias da Silva Sins, de 13 anos.

Como tudo aconteceu

Na manhã do sábado passado (15), o corpo da adolescente foi encontrado pela Brigada Militar em um matagal localizado numa região de difícil acesso, no Vale do Rio Pardo, na cidade de Santa Cruz do Sul (RS).

A menina tinha sido vista pela última vez no dia anterior, sexta-feira (14), na presença do padrasto Ronaldo Santos, de 30 anos. Os dois teriam ido a um comércio local comprar ovos de páscoa.

Publicidade
Publicidade

No mesmo dia a mãe da garota procurou à polícia para registrar o desaparecimento da filha e acusar o companheiro de cometer o #Crime. Na ocasião, a mulher deu a entender que a filha já estava morta. Essa atitude chamou a atenção dos investigadores.

No domingo (16), após breve investigação, Ronaldo teve a prisão preventiva decretada, mas acabou fugindo. Na última quinta-feira (20), a Brigada Militar conseguiu capturá-lo e na presença do advogado o homem confessou o assassinato à polícia e acusou a esposa de ser a mandante do crime.

Em depoimento, o criminoso disse que teria matado Francine a mando de Geni, pois a mulher tinha ciúme da relação dele com a garota. Ele ainda afirmou que matinha um caso com a enteada há cerca de 1 ano e que a mulher suspeitava disso.

Segundo a delegada de Proteção à Criança e ao Adolescente, Lisandra Carvalho, ao ser interpelada sobre isso, a mulher negou que tivesse qualquer suspeita de envolvimento amoroso entre a filha e o marido.

Publicidade

Ela chegou a dizer que os dois sequer mantinham contato. Porém, tudo foi negado pelos vizinhos da família, eles relataram que a garota era vista constantemente na companhia do padrasto.

Ronaldo disse que recebeu dinheiro para cometer o assassinato e que iria usar o pagamento para terminar de quitar uma moto. Ele ainda afirmou que a mulher o induzia a cometer o crime desde o ano passado.

A mulher nega qualquer participação no crime, mas a polícia está convicta do contrário.

"Nós acreditamos na versão dada pelo acusado, pois explica a motivação dele e o comportamento dela", disse a delegada.

O inquérito policial deve ficar pronto em 10 dias. Os exames de necropsia ainda não estão prontos, eles vão indicar a causa da morte e possível abuso sexual. A suspeita inicial é que a adolescente tenha morrido asfixiada.

Além de marido e mulher, os dois são parentes. Geni é tia de Ronaldo, e já estavam juntos há 8 anos. Eles foram encaminhados ao Presídio de Santa Cruz do Sul e vão responder por feminicídio qualificado. #Chocante #Corpo