No ano de 2015, os apresentadores Angélica e Luciano Huck passaram por um momento bastante tenso. Eles faziam uma viagem de avião, quando a aeronave caiu. Nela, estavam, além dos famosos, os três filhos deles, Joaquim, Eva e Benício, além de babás, copiloto e o piloto. O acidente aconteceu próximo à região do Pantanal e, felizmente, ninguém ficou gravemente ferido. Dois anos após o acidente, o 'Jornal Nacional', da TV Globo, publicou em primeira mão nesta quinta-feira, 20, o fim da investigação sobre o acidente. O laudo exposto no telejornal apresentado por William Bonner e Renata Vasconcellos é assinado pela Aeronáutica e teve parecer técnico também da Anac, a Agência Nacional de Aviação Civil.

O laudo concluiu que a causa da queda do avião que levava Huck e Angélica foi pane seca.

Publicidade
Publicidade

Isso significa que a aeronave já não tinha mais combustível para voar. Esse foi o mesmo motivo que acabou derrubando o avião que levava a Chapecoense, no ano passado. Setenta e uma pessoas faleceram. O piloto saía da cidade de Miranda e levava os passageiros até a capital do Mato Grosso do Sul, Campo Grande, quando perdeu o controle do avião. Com 35 minutos de voo, como mostra a reportagem da Rede Globo, o motor esquerdo parou de funcionar. O relatório concluiu que, no tanque da asa esquerda, havia, no máximo, 160 litros de combustível. O ideal para a viagem era de 350 litros, ou seja, mais do que o dobro.

Os sensores do avião, que mostravam o nível do combustível para o piloto, foram instalados em posição errada. Então ele também recebia informações que não representavam a realidade. O relatório concluiu que o piloto poderia ter transferido combustível de um tanque para o outro, mas que ele não seguiu os procedimentos adequados para uma situação de emergência.

Publicidade

Para piorar a situação, ele não tinha treinamento para pilotar aquela aeronave. O piloto não quis gravar entrevista sobre o caso. A empresa também dispensava pilotos que reclamavam das más condições das aeronaves, contratando prestadores de serviços.

Após o acidente, o piloto chegou a ser tratado como um herói e o apresentador foi bastante criticado, pois supostamente não estaria ajudando a família do profissional que salvou sua vida. "Logo ele, meu Deus", disse uma pessoa na internet.

E você, o que pensa do resultado exposto pela investigação da Aeronáutica dois anos após o acidente? Deixe o seu comentário. Ele é sempre importante e ajuda no diálogo de temas diversos. #Luciano Huck