No final da manhã desta última sexta-feira (31), um alerta de emergência foi emitido por um navio cargueiro que passava pela costa do Uruguai, depois de sair do Brasil. A embarcação era sul-coreana e fazia o transporte pela América do Sul, quando aparentemente naufragou em pleno Oceano Atlântico. O navio, que pesava quase trezentas mil toneladas, se encontrava a cerca de quatro quilômetros a leste do porto de Montevidéu quando desapareceu. Ao todo estariam presentes 24 pessoas que faziam parte da tripulação.

O cargueiro de nome Stella Daisy, teria emitido um pedido de socorro por volta das 11h da manhã, poucas horas depois de sair do Brasil.

Publicidade
Publicidade

Após o chamado, homens na Marinha do Uruguai foram até a região sinalizada, mas não encontraram mais sinais da embarcação. Eles teriam encontrado apenas dois filipinos que eram marinheiros do navio.

As vítimas estavam em um bote salva-vidas e aguardavam por socorro. Durante a chamada o comandante da embarcação sinalizou em mensagem de texto uma entrada de água devido a um defeito no casco, de quase quatrocentos metros de altura. Os barcos dos homens da marinha uruguaia apenas encontraram os dois homens e sinais de que um #Acidente tinha acontecido. Os relatos das vítimas resgatadas são de que o cargueiro se partiu ao meio e começou a se afundar antes que mais pessoas conseguissem se salvar.

As buscas por mais sobreviventes continuaram por toda a noite de sexta e manhã de sábado (01), mas até o momento mais ninguém foi localizado.

Publicidade

Foi possível ver na região do Oceano Atlântico manchas de combustível compatíveis com a do cargueiro. Além disso, inúmeros resíduos comprovam que possivelmente outras vítimas possam ser localizadas no perímetro.

Felizmente não havia tripulantes brasileiros, ao todo a embarcação comportava oito sul-coreanos, e dezesseis filipinos. A Aviação Naval Brasileira ajuda com um avião que tem sobrevoado a área para dar suporte em possíveis resgates. Os agentes brasileiros trabalham junto com os homens da marinha Uruguaia, para tentar minimizar o impacto da #Tragédia.