A atriz Renata Sorrah ficou marcada por conta de uma personagem, a vilã Nazaré Tedesco que pode agora ser vista e revista na sessão do 'Vale a Pena Ver de Novo', da Rede Globo de Televisão'. Na novela 'Senhora do Destino', escrita pelo consagrado Aguinaldo Silva, Renata tinha sua personagem empurrando pessoas de escadas e também usando perucas e disfarces cômicos. Nazaré é muito amada na internet e usada para muitos memes nas redes sociais. Sucesso na TV e no teatro, a atriz deu uma recente entrevista à coluna da jornalista Lu Lacerda, publicada no portal de notícias IG.

A jornalista falou com Renata sobre assuntos polêmicos, como o assédio sexual.

Publicidade
Publicidade

O tema ganhou a pauta em diversos veículos de comunicação em todo o país. Muito popular, Sorrah falou sobre o colega de Globo, o ator José Mayer. Ele foi acusado de assediar sexualmente a figurinista Su Tonani, quando essa trabalhava nos bastidores da novela 'A Lei do Amor', também da Globo. O caso fez com que uma mobilização ocorresse dentro da emissora. Profissionais, artistas e figurinistas se uniram com camisas que pediam o fim da chamada cultura de estupro. A Globo, por sua vez, garantiu que não apoia a violência e que é uma emissora onde tenta de tudo para que seus funcionários vivam em um ambiente de paz e harmonia.

A funcionária da Globo, como mostrou a Veja, já estaria pensando em desistir de fazer uma denúncia contra o galã de novelas na polícia. Ao comentar o assunto, Renata Sorrar fez um paralelo com a política brasileira, citando o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC - Rio de Janeiro).

Publicidade

Inicialmente, a atriz, que reconhece que o seu papel mais lembrado é a temida Nazaré, argumenta que não estava muito à vontade de falar de José Mayer e do caso que o envolve, além de suas consequências que acabaram provocando um turbilhão sem precedentes. O ator, que estava escalado para a novela 'O Sétimo Guardião', acabou levando uma suspensão, por tempo indeterminado da Globo.

Apesar de se negar a falar do artista que já fez muitas mulheres suspirarem, ela lembrou que a história do assédio acabou provocando o que chamou de movimento interessante. Nele, o que acaba sendo impulsionado são valores positivos na sociedade, como igualdade e respeito. Para Sorrah, isso faz com que debates sobre como evitar a violência contra a mulher venham à tona e que se fale contra qualquer tipo de ator que possa desmerecer qualquer ser humano por suas diferenças. "Contra, por exemplo, esse homofóbico, racista e machista do Jair Bolsonaro. Esse Bolsonaro tem que ser preso", disparou a atriz ao comentar sobre a opressão contra a mulher", disse ela, que revelou o segredo de não gostar nada do político. #Famosos