Essa semana uma mensagem de um dos participantes do jogo Baleia Azul colocou em alerta os moradores da pequena cidade de Ipanema, no interior de Minas Gerais. O texto começou a circular pelos celulares de várias pessoas da cidade e continha um conteúdo ameaçador. Nele um jovem que se identifica como Lucas, disse que para cumprir a tarefa do jogo deveria envenenar pelo menos trinta crianças de três escolas municipais da cidade. Pais e professores ficaram aterrorizados e um clima de pânico se instalou entre os moradores.

Publicidade

Uma das instituições de ensino ameaçadas é a Escola Estadual Nilo Morais Pinheiro onde estudam crianças de seis a onze anos de idade.

Publicidade

Assim que souberam da notícia vários pais foram até a escola para poder levar seus filhos para a casa. A ameaça explícita dizia que o envenenamento seria feito através de balas envenenadas que seriam distribuídas na porta do local. Vários pais e responsáveis pelas crianças telefonaram para a direção pedindo que orientassem os alunos a não aceitar doces de estranhos na porta ou arredores da escola.

O jogo macabro consiste em cinquenta passos onde os participantes devem obedecer a ordem de um líder para cumprir e ganhar o game. No entanto, ao que tudo indica o último nível seria aquele em que a pessoa deveria tirar a própria vida. A ‘brincadeira’ ficou conhecida na mídia, depois que adolescentes no sul do país teriam sofrido as conseqüências de participarem do jogo que induz ao suicídio. Foi por isso que os pais das crianças ficaram desesperados ao saberem da notícia, que havia sido espalhada através de mensagens, sobre o possível ataque às crianças. Na mensagem deixada, o jogador pede desculpas as mães das crianças pelo que estaria prestes a fazer com seus filhos, mas diz que, infelizmente, seria necessário cumprir o desafio que lhe foi passado, sob a ameaça de ser perseguido se não o fizesse..

Publicidade

Segundo o diretor da escola, diante das ameaças os pais começaram a telefonar para o local para alertá-lo. Ele ainda disse que não tinha noção do conteúdo aterrorizante até que uma das mães mostrou para ele. Imediatamente orientações foram feitas aos alunos, e a polícia foi acionada. Agora a polícia tenta investigar a origem da mensagem para poder chegar ao possível autor.

Cerca de oitocentos alunos, frequentam a escola que teve sua segurança reforçada depois que o possível atentado foi anunciado. O telefone de emergência da polícia militar foi acionado, e viaturas foram encaminhadas pela cidade.

Sem saber se o conteúdo é verdadeiro ou não, o melhor é prevenir pais e estudantes, para que o pior não aconteça. Além da instituição, outras escolas também foram orientadas quanto ao conteúdo da mensagem. Um inquérito foi aberto para tentar elucidar o caso, e as autoridades já estão cientes do caso.

#Justiça #Crime