Na segunda-feira, 3, um polêmico vídeo que mostra uma mulher dançando nua em uma cela foi divulgado amplamente nas redes sociais. De acordo com o site 'Folha de Pernambuco', as autoridades teriam confirmado que o caso aconteceu na Penitenciária Barreto Campelo, no município de Itamaracá. A sequência mostra uma mulher dançando para os detentos, que seguram calcinhas, enquanto ela se apresenta. O Secretário de Justiça do estado de Pernambuco, Pedro Eurico, confirmou que a mulher se tratava de uma prostituta e que ela foi contratada pelos detentos. O Secretário disse que os detentos já foram identificados e, por conta da situação, terão as penas aumentadas.

Autoridades querem saber quem é a mulher das imagens

Pedro disse que a mulher e os presos fizeram um ato de pornografia em plena cadeia.

Publicidade
Publicidade

Ele trabalha para identificar quem é a prostituta que dança para os detentos. O Sindicato dos profissionais penitenciários do estado, questionado pelo site que divulgou a grave situação, disse que hoje Pernambuco tem um déficit de mais de dezoito mil vagas. Enquanto isso, a população de presos seria quase três vezes maior do que cabem nas prisões estaduais.

Falta efetivo

Por isso, mais de 60% das guaritas das cadeias não estão funcionando, o que explicaria a facilidade com que a mulher entrou na cadeia. Não fossem os vídeos gravados pelos próprios detentos e postados nas redes sociais, a situação provavelmente sequer seria conhecida. Nas redes sociais, muita gente se mostrou revoltada com a situação.

Veja abaixo o vídeo que mostra a prostituta dançando completamente sem nada em uma cela de uma penitenciária brasileira.

Publicidade

Não se sabe muito bem como ela foi parar ali sem que os profissionais da cadeia percebessem. Os detentos estão muito felizes ao verem a presença de uma representante do sexo feminino no local.

E você, o que achou desse flagrante feito na penitenciária? Deixe o seu comentário. A sua opinião é sempre muito importante para todos nós e ajuda no diálogo de temas relevantes para a sociedade. #Crime