Cerca de 40 mil professores do Estado de São Paulo, tomaram a Avenida Paulista e o vão livre do MASP ( Museu de Arte de São Paulo), na tarde dessa sexta-feira (31) e aprovaram a suspensão da greve iniciada no dia 28 e , ainda, o calendário de lutas rumo à greve geral que está sendo convocada pelas centrais sindicais, entre as quais: CUT (Central Única dos Trabalhadores), para o próximo dia 28 de abril.

A campanha salarial continua a combinar a pauta específica de reivindicações da categoria, que é o índice de reajuste salarial de 22,03%, somando a luta nacional contra a reforma da Previdência Social, a reforma trabalhista e todos os desmontes das políticas públicas que o Governo Federal de Michel Temer vem promovendo.

Publicidade
Publicidade

Mobilização nos aeroportos

No entanto, a jornada de lutas dos professores prevê a continuidade da pressão junto aos deputados federais de São Paulo para que votem contra a reforma, com ações nos aeroportos; manter a consulta popular, pois é uma forma didática de debate do tema com a população em geral, esclarecendo sobre o desmonte previdenciário no País; com a realização de atos, aulas públicas e utilização de carros de som.

Em seguida à assembleia, os professores juntamente com outros sindicatos e movimentos sociais como o MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto), MST (Movimento dos Trabalhadores sem Terra), Frente Povo sem Medo, Frente Brasil Popular, realizaram uma passeata até a Praça da República, onde houve a concentração para o ato unificado contra as reformas.

Eixos de reivindicações

Segundo Maria Izabel Noronha, presidente do Sindicato dos Professores de ensino Oficial do Estado de São Paulo, os próximos eixos da campanha: Não à reforma da Previdência Social, reajuste salarial já, contra a terceirização, contra a reforma trabalhista e nenhuma disciplina à menos no ensino médio, mais qualidade na educação, diz Izabel.

Publicidade

Na próxima semana, o relator da proposta da reforma da Previdência, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), deve apresentar seu parecer. A partir daí, deve-se definir o calendário de tramitação da matéria na Câmara dos deputados. #EunaRua #CidadeLimpa #Eu2017