Uma nova pista do caso do estudante de psicologia desaparecido no Acre voltou a surpreender o #Brasil: o rapaz, que deixou 14 livros escritos de forma criptografada, deixou também uma chave para decifrar o código. E este código, ao que parece, foi em parte inspirado no livro infantil ''Manual do Escoteiro Mirim'', lançado pela editora Abril, no ano de 1971, e relançado no ano passado.

A reimpressão da obra, que traz exatamente o mesmo conteúdo presente na primeira edição, gerou nostalgia nos adultos entre 35 e 50 anos que cresceram com ele.

O livro, dos personagens Huguinho, Zezinho e Luisinho, os sobrinhos do Pato Donald, ensina as crianças a reconhecer estrelas, descobrir direções através do Sol, construir abrigos para sobreviver na selva, fazer fogueiras, dar vários tipos de nós, entre outras lições referentes ao escotismo, direcionadas ao público infantil.

Publicidade
Publicidade

Na página 70 do manual, está o ''Código Secreto Marciano''. Os patinhos explicam como funciona um alfabeto cifrado e indicam símbolos para a criança utilizar em substituição às letras do nosso alfabeto, para se comunicar com seus amigos. Internautas notaram que muitos dos símbolos deixados no código-chave de Bruno Borges são semelhantes aos utilizados no livro de escotismo infantil.

Veja a comparação do código de Bruno com o código presente no ''Manual do Escoteiro Mirim'':

Há quem diga que o código utilizado no livro infantil seria inspirado em outros códigos, como por exemplo, um código maçom, uma vez que muitos escoteiros famosos - incluindo o próprio criador do escotismo, Robert Stephenson Smyth Baden-Powell - eram maçons.

Publicidade

Outros símbolos utilizados nas mensagens deixadas pelo rapaz, no entanto, são bastante diferentes dos mostradas pelo livro de Huguinho, Zezinho e Luisinho.

Até agora, a Polícia Civil do Acre acredita que Bruno Borges deixou a casa voluntariamente, e muito provavelmente, pretende voltar. Segundo o delegado geral do estado, Carlos Flávio Portela, Bruno levou um celular, um HD externo e algumas peças de roupa. O celular, porém, não está sendo usado, e o rapaz não atende ligações.

Amigos do rapaz disseram que Bruno já havia demonstrado vontade de se isolar durante um período de tempo, mas não disse onde pretendia ir. Algumas das mensagens já decifradas deixadas pelo rapaz demonstravam o mesmo.

Não há indícios de um crime, e a Polícia acredita que, em breve, terá #Notícias positivas a respeito do paradeiro do rapaz. #Ciência