Na semana passada, a prisão de policias que foram flagrados atirando em dois suspeitos mexeu com a opinião público. Muitos acreditam que a ação precisa ser punida, já que o vídeo seria uma prova de execução, ou seja, de um #Crime que os agentes da PM do Rio de Janeiro cometeram. No entanto, uma parcela bem grande da população pensa, justamente, o contrário. De acordo com informações do jornal 'O Globo', em reportagem publicada neste sábado, 1, um documento pede que os PMs presos na ação que ocorreu em Acari, na Zona Norte do Rio, sejam libertos. Em apenas algumas horas o documento, em forma de petição pública, já tinha mais de cinquenta mil assinaturas.

Publicidade
Publicidade

Os policias militares flagrados na ação foram identificados como David Gomes Caetano e Fabio de Barros Dias. Um vídeo feito por um morador da região mostra tudo. No momento em que os policiais atiram, os suspeitos já estão jogados no chão. Ao serem presos, eles alegaram legítima defesa. A ação aconteceu próximo à uma escola municipal. Na mesma data, uma estudante, identificada como Maria Eduarda, de apenas 13 anos, também acabou sendo baleada e morreu. Ela fazia aulas de educação física, quando tudo ocorreu.

A petição pública que tem dezenas de milhares de assinaturas diz que os PMs não são bandidos, mas sim heróis, profissionais que estariam sendo massacrados pela mídia. Veículos de comunicação são chamados de covardes e tendenciosos. Os que assinam ainda diz que, caso os PMs sejam condenados, haverá uma inversão de valores na sociedade.

Publicidade

Carina, uma das mulheres que assina o documento, ainda usa a máxima de que "bandido bom é bandido morto".

"Bandido que atira para matar tem que tomar tiro para morrer", diz ela, que ainda chama os policiais de guerreiros trabalhadores.

E você, o que pensa sobre o assunto. Os PMs devem ou não ser condenados, caso fique comprovado que houve mesmo uma execução? Deixe o seu comentário. A sua opinião é sempre muito importante para todos nós e ajuda no diálogo de temas importantes para a sociedade.