O Goleiro Bruno Fernandes, recentemente solto pelo 'Supremo Tribunal Federal' (STF), pode ser preso novamente. A informação foi dada com destaque nesta quarta-feira, 19, pelo site do jornal O Globo. De acordo com a publicação, Rodrigo Janot enviou uma documentação, na qual revela um parecer em que não concorda com a liberdade do goleiro. Por isso, o Procurador-Geral da República solicita que a corte mais alta do país mude a sua decisão. Caso isso ocorra, Bruno, que deixou a penitenciaria pouco antes do Carnaval, pode fazer o caminho de volta e ficar novamente recluso. A liminar que deu a liberdade para Bruno foi assinada, na época, por Marco Aurélio Mello.

Publicidade
Publicidade

A decisão, que permitiu ao assassino de Eliza Samudio voltar ao convívio com a sociedade, foi criticada por alguns e elogiada por outros.

Bruno está jogando no 'Boa Esporte', time de Minas Gerais. Ele tem feito uma atuação regular e mostra que o fato de ele ter ficado tanto tempo preso não atrapalhou sua performance nos campos. É bom lembrar que o caso não está mais com o ministro que liberou o goleiro. Ao voltar para o STF, a análise ficou nas mãos de outro ministro, Alexandre de Moraes, que chegou a trabalhar na pasta da Justiça no governo de Michel Temer, PMDB. De acordo com informações do jornal 'O Globo', a previsão é que a análise seja votada já na semana que vem, mais precisamente na terça-feira, 25. É bom lembrar que Fernandes foi condenado a 22 anos e três meses de prisão pela morte e sumiço do cadáver de Eliza Samudio.

Publicidade

Na época em que aconteceu o #Crime, Fernandes estava jogando no Flamengo. Ele tem um filho com Eliza, que era sua amante. Bruno casou na cadeia com uma dentista e tem vivido com ela desde a liberação do Supremo. O atleta está preso desde antes mesmo de seu julgamento ter ocorrido. Ele tenta aguardar o julgamento do caso em segunda instância. Foi por isso que Marco Aurélio de Mello liberou o profissional da bola. Janot, ao solicitar uma revisão do caso, destacou que o processo está demorando para ser analisado na segunda instância, em razão de recursos da própria defesa. Por isso, ele pede que a mais alta corte do país mude de decisão o mais rápido possível.

Ainda foram apresentados pareceres documentais de ordem técnica, como do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), que não aceitou o pedido de julgamento em liberdade. E você, o que pensa da possibilidade de Bruno voltar para a cadeia mais uma vez? Deixe o seu comentário. Ele é sempre muito importante para todos nós e ajuda no diálogo de temas diversos.