Na tarde dessa quinta-feira, 27, várias categorias confirmaram que farão #Greve na sexta-feira, 28. Dentre as confirmações estão os funcionários dos Correios e os eletricitários, funcionários das empresas de fornecimento de energia.

Eduardo Annunciato, que é o presidente do Sindicato dos Eletricitários de São Paulo, afirmou agora a pouco, para os Jornalistas Livres, mídia de esquerda que apoia a paralisação, que conversou com 18 empresas responsáveis pelo fornecimento de energia elétrica, e todas afirmaram que aderiram à greve.

Eduardo não afirmou que vão desligar a energia elétrica no país, mas deixou a informação subentendida, ao dizer que ocorrerá um grande #Apagão no Brasil e que hospitais não precisam se preocupar, pois todos possuem geradores.

Publicidade
Publicidade

Sindicalista incentiva que a população gere um apagão na energia elétrica

Annunciato disse que se cada pessoa ligar um ferro de passar e um chuveiro, na noite dessa quinta-feira, a carga recebida pelo sistema de energia elétrica será de 108 gigawatts. Se somar essa elevada carga ao gasto cotidiano das fábricas e demais itens ligados em cada casa, a energia do país inteiro pode acabar em 3 minutos.

Esse tipo de boicote, entretanto, prejudica toda a população e não terá previsão para que o problema seja resolvido, podendo durar dias.

Ilegalidade

Serviços essências não podem aderir à greve, logo, se empresas de energia prejudicarem a população, com o corte de energia elétrica, funcionários podem ser demitidos e responder criminalmente pelo prejuízo causado.

A energia elétrica é essencial para empresas, supermercados, açougues e conservação e manutenção de inúmeros produtos, inclusive, alimentos.

Publicidade

Também existem pessoas que dependem da energia elétrica para utilizar algum aparelho de uso médico, em sua residência.

Principais empresas que confirmaram adesão à greve

Até o fim da tarde dessa quinta-feira, 27, confirmaram adesão:

  • Bancários das principais capitais do país;
  • Ferroviários de São Paulo;
  • Correios;
  • Empresas de ônibus municipais;
  • Professores da rede municipal, estadual e particular;
  • Funcionários do Poder Judiciário de algumas capitais;
  • Servidores públicos de unidades hospitalares.

Cada estado possui categorias diferenciadas que aderiram à greve. Os dados acima são provenientes dos serviços gerais que impactarão milhões de pessoas, porém, também existem categorias locais que estarão em greve amanhã.

Em São Paulo, o prefeito João Doria afirmou que cortará o ponto de quem aderir à greve. Michel Temer também garantiu que servidores da União que paralisarem suas atividades nessa sexta-feira, terão o dia descontado do salário. #greve geral