Um susto com imagens impressionantes ficarão gravados para sempre na história de Artevaldo de Sousa, de 35 anos.

Ele é motociclista e vinha com sua moto pelo túnel Rebouças, na Zona Sul do Rio de Janeiro quando derrapou e caiu se arrastando alguns metros na pista. Com a batida o tanque damoto se rompeu e vazou muito combustível. O foto tomou conta da moto do rapaz e dele próprio.

Ele largou a moto e saiu correndo pelo túnel em meio a chamas, que continuaram vivas em seu corpo. E, não fosse a pronta ajuda de um motorista de ônibus, talvez a vítima não estaria viva.

O #Acidente aconteceu na noite desta quinta-feira (30), por volta das 19h30.

Publicidade
Publicidade

Toda a sequência foi registrada por câmeras de monitoramento do trânsito. Pelas imagens, fica nítido que o herói do dia foi mesmo o motorista do ônibus, que parou rapidamente o trânsito. Um taxista também interditou a outra pista, ligando o alerta e interrompendo o fluxo. O funcionário da empresa de transporte coletivo pensou muito rápido. Pegou imediatamente o extintor do veículo para conter as chamas na roupa molhada de combustível do motociclista.

Depois o mesmo correu para a moto em chamas e fez o mesmo. Apagou o incêndio que fatalmente continuaria por alguns minutos até queimar todo o combustível derramado.

O motociclista foi socorrido ao Hospital Municipal Miguel Couto, localizado na Gávea. Ele ficou em observação até às 0h30 e se recupera em casa. Ele felizmente permanece fora de perigo.

Publicidade

A imprensa divulgou o nome do motorista de ônibus que agiu prontamente. Ele é Raphael Neves Teixeira, motorista da linha 461, que faz o trajeto São Cristóvão-Ipanema, pela empresa Braso Lisboa

Ele contou, por meio de nota, que trafegava pela pista central do túnel quando de repente, pela esquerda e depois à sua frente viu o motociclista derrapando. A primeira imagem foi pelo retrovisor, o que fez com que ele imediatamente reduzisse a velocidade.

Ele disse que nunca passou por uma experiência desta de ter que salvar uma vida usando o extintor. Mas lembrou que fez um treinamento na empresa que o deixou preparado para esse tipo de situação.

A Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Rio (Fetranspor), se posicionou por nota. Informou que o condutor do coletivo estava em sua última viagem do dia quando tudo aconteceu.

O Corpo de Bombeiros foi acionado, mas acabou tendo pouco trabalho, já que ficou apenas com o rescaldo.