Sequestro comandado por integrantes do PCC, crimes de tráfego, compra de drogas, crime intelectual e digital. O que tudo isso tem em comum? O uso da moeda #Bitcoin. Quado a tecnologia é envolvida, uma máscara digital se forma e parte do crime desaparece, fazendo com que muitos criminosos não sejam rastreados.

Saiba mais nos exemplos a seguir:

O sequestro

Mulher de 32 anos, esposa de dono de casa de câmbio de moedas digitais em Florianópolis, foi sequestrada após deixar filho na escola. Os bandidos a levaram para São Paulo e a quadrilha fez contato com seu marido pedindo resgate de mais de 115 milhões. O que chamou a atenção nesse sequestro, além do valor exorbitante, foi a forma com que queriam receber esse dinheiro.

Publicidade
Publicidade

Simplesmente inédito! Queriam receber em criptomoeda, nome que se dá a moedas digitais, como a bitcoin. Parte dos integrantes da quadrilha pertenciam a facção criminosa de São Paulo, o PCC. A história teve uma conclusão positiva e a polícia conseguiu encontrar o cativeiro.

Delegado

Segundo o delegado da Divisão Antissequestro de Santa Catarina, Anselmo Cruz, o crime é “inédito no Brasil e no mundo“. "É provavél que na Russia alguém já tenha pensado nisso, mas é a primeira vez no país que alguém tem a ideia de pedir um valor que não estava sendo carregado por alguma pessoa", afirmou. O crime foi considerado de ordem digital.

Moedas digitais

Embora seja uma novidade no mundo dos crimes comuns, a agilidade do crescimento dessas moedas virtuais fez com as autoridades tenham grande conhecimento e investiguem com frequência os crimes digitais.

Publicidade

Essa semana, grupos de hackers vazaram episódios da série do netflix Orange is the New Black sem a série ter feito sua própria divulgação oficial. Eles invadiram a empresa parceira de serviços e tiveram acesso aos arquivos originais. Foi exigido 70 mil dólares em bitcoin pra que devolvessem o material, mas o valor não foi recebido.

Bitcoin

A moeda nasceu em 2008 como alternativa de avanço. O mercado financeiro da época estava em crise global, colocando em xeque o modelo atual do sistema do Banco Central e das instituições financeiras. O Bitcoin surgiu com a proposta de antifraude, tornando-se possível transações pelo mundo inteiro em qualquer pais, sem pagamentos de taxas exorbitantes como se faz no modelo tradicional com outras moedas.

Tendência em 2017

Notícias de sequestro são corriqueiras e colocam pessoas de todo tipo na mira de criminosos. Dados digitais ficam a disposição de hackers, que fazem ataques em massa com envio de links e vírus maliciosos para sistemas de e-mails e provedores. As invasões de computadores, com objetivo de roubo de documentos, é uma ação comum nos dias de hoje. A maior tendência em 2017 são os sequestros de fotos e da intimidade de pessoas ou mulheres que se expõem via redes sociais.