Uma jovem identificada como Vanessa Formentini, de 25 anos de idade, foi brutalmente assassinada em São João do Ivaí, pequena cidade localizada na região norte do Paraná, no último sábado (13).

Brutalidade

A moça foi esfaqueada e golpeada com uma bateria de veículo. O assassino teria aproveitado um momento de distração da vítima, que tinha deixado o portão de sua casa aberto, para invadir a residência e tentar roubar itens que estavam dentro do carro da família, estacionado na garagem.

Inimigo mora ao lado

Ocorre que Vanessa acabou pegando o bandido no 'flagra' e, ao que tudo indica, o reconheceu. Percebendo o fato, o marginal desferiu golpes de faca no pescoço da moça.

Publicidade
Publicidade

A vítima, mesmo ferida, tentou fugir para dentro de casa, mas acabou levando mais duas facadas durante o trajeto. Para finalizar, o bandido bateu na cabeça dela com uma bateria de carro.

O criminoso trabalhava em uma oficina mecânica situada nas redondezas e fugiu depois de cometer o #Crime.

O corpo de Vanessa foi encontrado por um familiar, que ficou preocupado com o fato de Vanessa demorar a chegar ao mercadinho da família, que era o local onde ela trabalhava.

O bandido, identificado como Karein Friedrich, de apenas 19 anos de idade, confessou à polícia que cometeu o crime e até entregou a faca usada para assassinar a moça. Disse que cometeu o crime porque ela o teria reconhecido.

Revolta

Vanessa foi enterrada no último domingo (14), em um cemitério da região. Parentes, amigos e conhecidos estavam revoltados com o crime.

Publicidade

Devido ao fato, a família da moça iniciou um abaixo-assinado pedindo às autoridades mais segurança aos moradores da pequena cidade, que tem apenas 12 mil habitantes.

As autoridades públicas informaram que a polícia agiu com celeridade na identificação e prisão do suposto criminoso, suspeito de matar Vanessa.

O homem está à disposição da Justiça e possivelmente será processado pelo crime de latrocínio, roubo seguido de morte, ou, ainda, tentativa de roubo e #homicídio. A diferença entre a denominação dos crimes pela polícia infere na pena eventualmente aplicada pelo juiz, se for o caso. Além disso, o crime de latrocínio não é julgado pelo Tribunal do Júri.

A Secretaria de Estado da Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná - SESP, em nota oficial sobre a reivindicação da população de São João do Ivaí, disse que a polícia está conjugando esforços no sentido de coibir ou desvendar rapidamente a prática de crimes, o que tem surtido efeitos positivos para a sociedade como um todo. #policial