Um motorista de caminhão identificado como Bruno Estevão, de 21 anos de idade, dirigia sob o efeito de drogas e acabou causando um acidente no final da tarde de terça-feira (9), na BR 101, Km 47, em Joinville.

Drogas e direção não combinam

Segundo a #Polícia Rodoviária Federal - PRF, que atendeu o caso, era visivelmente perceptível que o motorista do caminhão, que estava carregado de tubos PVC, não tinha nenhuma condição de dirigir.

O veículo Volkswagen, com placas de Garuva, Santa Catarina, ia no sentido norte da BR quando o condutor perdeu o controle do caminhão e colidiu contra um veículo Fiat Strada, que veio a capotar.

Publicidade
Publicidade

Logo depois, o caminhão foi em direção à pista contrária, passou por um canteiro e foi parar às margens da rodovia.

Um veículo Fiat Uno, que seguia no sentido sul da via, também foi atingido e jogado para o canteiro.

Veja o vídeo sobre mais detalhes do acidente, que envolveu diversos veículos:

Socorro

Profissionais de saúde que atuam junto à concessionária de pedágio da rodovia também perceberam que o rapaz estava sem qualquer condição de dirigir o caminhão.

Para a polícia, ao que tudo indica, Bruno usou anfetaminas. Na cabine do veículo, os agentes encontraram embalagens usadas para acondicionar #drogas.

Diante disso, os policiais prenderam o condutor do caminhão em flagrante e ele foi encaminhado à delegacia logo depois.

Em comunicado, a empresa responsável pela carga informou que o veículo pertence a empresa terceirizada e que foi contratada para prestação de serviços por intermédio de rígido controle de qualidade.

Publicidade

Ainda asseverou que está acompanhando o caso, bem como os motivos que levaram o condutor do caminhão a causar o acidente.

Exame toxicológico

O exame toxicológico dos motoristas de caminhão está valendo há mais de um ano e já reduziu muitos acidentes.

Segundo o portal G1, houve uma queda de 26% no número de acidentes depois da imposição do exame para a renovação da CNH nas categorias C, D e E. O exame usa amostras de pelo ou mecha de cabelo.

Dirigir embriagado ou sob o efeito de drogas análogas é #Crime definido pelo Código de Trânsito Brasileiro.

Nos primeiros 10 meses de 2016, mais de 10 mil motoristas profissionais se submeteram ao exame em todo o país e, destes, 21% tiveram resultado positivo em relação ao uso de drogas.

O exame causou polêmica entre especialistas e os próprios caminhoneiros, especialmente devido ao preço, que em média custa quase R$ 300.