Essa semana a divulgação da morte de um caseiro chocou os moradores do município de Tapurah, no interior do Mato Grosso. Isso porque o homem, que tinha 53 anos, e não teve o nome revelado, teria sido morto por porcos da fazenda em que trabalhava. O caseiro teria ingerido uma quantidade considerável de bebida alcoólica e entrado no chiqueiro do local.

A intenção do homem seria praticar zoofilia, ou seja, atos sexuais com animais. Ele teria amarrado uma leitoa em uma cerca e começado a praticar o ato de violência. O que ele não esperava é que os outros animais que estavam no espaço fossem perceber o que estava acontecendo e atacá-lo.

Publicidade
Publicidade

Segundo os investigadores da #Polícia Civil, o serviço de perícia encontrou o cadáver sem diversas partes.

Ao que parece os animais teriam atacado o homem com tanta ferocidade que conseguiram dilacerar o corpo e arrancar os membros do mesmo. As informações sobre a morte ainda não foram confirmadas, pois a polícia ainda não excluiu nenhuma hipótese investigativa. Existe ainda a possibilidade de que o caseiro tenha sido morto em outro local e o corpo jogado no chiqueiro como lugar de desova.

No entanto, as provas mais contundentes são de que o homem tenha realmente sido morto pelos porcos enquanto tentava estuprar a leitoa. Isso porque o cadáver estava sem roupa, e apenas com as vestes íntimas que não foram destruídas. Uma blusa e uma calça do homem foram encontradas no interior da casa onde morava, assim como um isqueiro e um facão.

Publicidade

A ideia é que ele teria se despido e se direcionado até o chiqueiro já sem as roupas. Além disso, os investigadores localizaram uma garrafa contendo bebida alcoólica que teria sido ingerida pelo mesmo durante todo o dia, horas antes de ser morto. O serviço pericial ainda está sendo feito no local para tentar concluir sobre os indícios que comprovem a teoria da morte um tanto quanto inusitada. Materiais poderão ser colhidos dos animais para que seja possível analisar se existem restos humanos em algum lugar.

O corpo foi encaminhado pelo Instituto Médico Legal (IML) por se tratar de morte violenta, e deverá passar por serviço de necropsia para que se possam entender as circunstâncias da morte. Por exemplo, se os membros não foram arrancados com material cortante como uma faca, ou se alguma arma teria sido usada para matar o homem. Ele viveu praticamente a vida toda no local, e é estranho que os animais tenham tido tal comportamento, pois o homem convivia diariamente com os bichos. A polícia segue investigando. #Crime