O dono do frigorífico JBS Joesley Batista contou à Procuradoria Geral da República (PGR), em sua delação premiada, que deu R$ 30 milhões ao deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para bancar a campanha do peemedebista à presidência da Câmara, em 2015. Segundo o empresário, Eduardo Cunha – atualmente preso pela Lava Jato em Curitiba – "saiu comprando um monte de deputados Brasil a #Fora".

O novo delator da Operação Lava Jato afirmou ao Ministério Público que os R$ 30 milhões foram repassados ao ex-presidente da Câmara da seguinte forma:

  • R$ 5,6 milhões em doação oficial;
  • R$ 12 milhões em dinheiro vivo;
  • R$ 10,9 milhões por meio de pagamentos com notas frias;

À época, o deputado do PMDB venceu a eleição interna da Câmara no primeiro turno, derrotando o deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), que tinha o apoio dos articuladores políticos do governo Dilma Rousseff.

Publicidade
Publicidade

Na ocasião, Cunha obteve 267 dos 513 votos da Casa, e Chinaglia, 136.

Joesley Batista contou detalhes do repasse de dinheiro ao deputado cassado ao ser questionado pelos procuradores da República sobre o valor que havia sido solicitado por Eduardo Cunha.

"R$ 30 milhões. Foi trinta. Nós demos trinta. Pago R$ 10 milhões com nota fria de fornecedores diversos que ele [Cunha] apresentava", explicou o delator.

"Pelo que eu entendi, ele [Cunha] saiu comprando deputado, saiu comprando um monte de deputados Brasil a fora. Para isso que servia os R$ 30 milhões", complementou.

A afirmação está em um dos vídeos dos depoimentos do empresário à Procuradoria-Geral da República, tornados públicos nesta sexta-feira (19) pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

De acordo com o empresário, na conversa que teve com #Temer - e que foi gravada por ele -, o presidente disse que poderia auxilia Cunha com "um ou dois" ministros da Corte.

Publicidade

"Ele me fez um comentário curioso que foi o seguinte: 'Eduardo quer que eu ajude ele no Supremo, poxa. Eu posso ajudar com um ou dois, com 11 não dá'. Também fiquei calado, ouvindo. Não sei como o presidente poderia ajudá-lo", afirmou Batista.