Sônia Fátima Moura, de 51 anos, é salgadeira,e mora na cidade de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. Ela deu uma entrevista publicada nessa semana pela 'Revista Sou Mais Eu'. No conteúdo, Sônia conta como também foi vítima de violência doméstica, mas que sobreviveu. A mesma sorte, no entanto, não teve a sua filha. Eliza Samudio, segundo a justiça, foi morta pelo Goleiro Bruno Fernandes, que recentemente saiu e voltou para a cadeia através de uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). Ele, além de matar, e acusado de esconder o corpo de Eliza. Até hoje, o cadáver da amante do goleiro jamais foi encontrado, para o desespero de sua mãe, que luta até hoje por 'justiça'.

Publicidade
Publicidade

Sônia conta que namorou desde muito cedo. Aos 17 anos, ela já estava casada e tudo parecia bem. O seu marido, bem mais velho, identificado por ela como Luiz Carlos, tinha vinte e quatro anos e era carinhoso. Os dois foram morar juntos logo no ano em que namoraram e foi, a partir da convivência, que a mãe de Eliza conheceu o seu verdadeiro marido. Ele era violento e sem nenhum respeito pela companheira. Inicialmente, ele passou a ofendê-la com palavras, mas, aos poucos, isso foi aumentando. Ele então passou a bater nela. Sônia apanhava quase todos os dias e o romance dos dois foi marcado por idas e voltas. "Eu estava cansada de apanhar, mas não conseguia sair de vez daquele #Relacionamento abusivo", disse ela em um grande depoimento dado para a Revista 'Sou Mais Eu'.

Aos vinte anos, Sônia ficou grávida de Eliza.

Publicidade

Luiz não aceitava a criança e solicitou que sua esposa abortasse a filha. Ela não obedeceu e ficou com o companheiro por mais quatro anos. Ela contava tudo o que acontecia em sua casa para uma amiga, que solicitava para ela sair de casa e viver bem longe de um homem tão agressivo. A amiga ajudou a mãe de Eliza e, assim que a garotinha fez quatro anos, Sônia saiu de casa para nunca mais voltar. A garota foi deixada na casada sogra e Sônia, à essa altura, estava com o corpo todo machucado e roxo. Para sobreviver, ela começou a vender salgadinhos e foi ganhando o seu dinheiro. Nesse tempo, o pai da menina voltou a cuidar da criança e chegou a ameaçar deixar Eliza em pedaços.

Sônia e os marido só se reencontraram quando Eliza estava com quatorze anos, ou seja, dez anos depois que ela decidiu sair do local. O ex-companheiro já tinha outra. Por incrível que pareça, Eliza não apanhava do pai. Os dois se davam até bem e, aos dezesseis anos, ela decidiu morar com a mãe. Não demorou muito para ela sair também da casa de Sônia e ganhar a vida como modelo, para mais tarde morrer nas mãos de Bruno.