Um marceneiro está sendo acusado de assediar de uma criança de apena 9 anos de idade, ele foi detido na última sexta-feira (23), logo após ter marcado de se encontrar com uma vítima, em Várzea Grande, na região metropolitana de Cuiabá. O suspeito foi surpreendido assediando cerca de 20 #crianças e adolescentes em uma rede social e por telefone celulr, utilizando SMS (mensagem de texto). O marceneiro de 42 anos, foi detido depois que o pai de uma das crianças descobriu o que estava acontecendo, e deu queixa à polícia, que então foi ao encontro marcado com o suspeito.

O delegado responsável pelo caso, Claudio Alvarez, confirmou o assédio a menina, no momento da prisão.

Publicidade
Publicidade

O marceneiro entregou o seu aparelho de telefonia móvel à polícia, que rapidamente localizou várias mensagens com outras supostas vítimas. No momento em que o delegado deu flagrante, foi possível confirmar o recebimento de mensagens de crianças em conversas com o suspeito.

O Delegado disse que o pai ficou desconfiado porque a filha passava grande tempo no aparelho telefônico, e em suas redes sociais. O delegado Alvarez ainda informou que foram identificadas cerca de mais 20 crianças, com quem ele tinham “amizade”, em diversas redes sociais.

É possível que ele tenha deletado imagens e vídeos de crianças nuas, segundo informações policiais. No aplicativo de mensagens instantâneas WhatsApp, chegavam com bastante frequência muitas mensagens de crianças procurando pelo marceneiro.

O delegado Claudio Alvarez aconselha que os pais e responsáveis, fiquem atentos e sempre alerta com as crianças que já os smartphones levam diretamente aos perfis nas redes sociais.

Publicidade

Ainda segundo o delegado, neste caso da criança de 9 anos, o marceneiro adicionou a menina como amiga no Facebook. Logo após ela aceitar a solicitação, ele então pediu o telefone, e então começou a trocar mensagens, sempre no comando do assunto e assediando a menina.

Em uma dessas mensagens o marceneiro pediu para que a menina lhe enviasse imagens dela sem roupas.

O celular do suspeito já está nas mãos da perícia, pois existem grandes suspeitas de que ele tenha deletado imagens do celular para esconder outros crimes de assédio à crianças e adolescentes.

Pai da vítima

O pai da menina assediada, não quis divulgar sua identidade, ele relatou em entrevista à TV Centro América que o indiciado tentou de diversas formas ganhar a confiança da filha usando mensagens.

O pai ainda informou que o homem sempre falava com a criança para tomar muito cuidado, e recomendava que não falassem nada para os pais, além de fazer diversas perguntas sobre a família, como se eu estivesse querendo saber quem eram os pais da menina antes de assediá-la.

Publicidade

Foi aí que o pai decidiu procurar a polícia para abrir uma denúncia sobre o que estava acontecendo com a filha. Segundo ele, o aparelho telefônico foi um presente para que eles se comunicassem no momento em que não estavam próximos.

A partir desse questionamento, o pai decidiu procurar a polícia e denunciar o que a filha estava passando. #Assédio Sexual #Pedofilia