Um vídeo editado em 2013 com trechos de falas de religiosos muçulmanos sobre como os maridos devem tratar suas esposas está causando furor nas redes sociais.

O conteúdo não é novo, mas está percorrendo novamente milhares de timelines no Facebook. O material, que não condiz com a conduta sobre igualdade de gênero aplicada no #Brasil, contém explicações de versículos do Alcorão, livro sagrado seguido pelos muçulmanos, que justificam tratamentos violentos às mulheres que desobedecem seus cônjuges.

Trata-se do versículo 34, do Surata 4. Nele está escrito que Alá quer que seus seguidores ajam aplicando castigo às suas esposas, se estas lhe trouxerem algum tipo de deslealdade por uma terceira vez consecutiva.

Publicidade
Publicidade

Na primeira vez em que desrespeitar o marido, a orientação é “admoestá-la”, ou seja, advertir a esposa de maneira branda. Na segunda vez, a orientação é para abandonar o seu leito.

No vídeo, é possível acompanhar um líder muçulmano explicando aos devotos que, "quando for necessário bater na mulher, ou por desobediência, ou por revolta, que se faça sem deixar marcas". “Não é para socar, espancar”, diz ele, explicando ainda que se deve usar um instrumento específico para tal violência, como demostra aos expectadores.

“Não é para prejudicar o corpo da mulher (...) E quando se bate? Quando ela fica rebelde, quando ela desobedece, quando ela se revolta contra o marido”.

O vídeo segue com uma entrevista de um programa estrangeiro a um clérigo egípcio muçulmano. O entrevistador questiona o fato do Islã justificar violência contra as mulheres.

Publicidade

O entrevistado se defende, dizendo que isso está previsto sim, mas não para ferir brutalmente a mulher que merecer.

“Alá honrou as esposas ordenando a punição com a surra”, explica.

“Como isso é possível?”, rebate o apresentador, que recebe a seguinte explicação: “O profeta Muhammad disse ‘não bata no rosto e não a deixe feia’. Veja como elas são honradas. Se o marido bater em sua esposa, que não seja no rosto dela. Isso é incrível. Ele bate nela para a disciplinar. Além disso, não pode haver mais que 10 golpes. E ele não pode quebrar-lhe os ossos, quebrar-lhe os dentes ou ferir os olhos”.

Confiante de que está revelando algo "maravilhoso", ele segue enfático: “Há uma etiqueta para se bater na esposa. Se for discipliná-la, ele não pode elevar sua mão. Deve-se bater nela na altura do peito. Todas essas coisas honram as mulheres. Ela precisa de disciplina. Como o marido deve discipliná-la? Advertindo-a. Se ela não mudar, ele deve se recusar a dividir a cama com ela. Se não se arrepender deve bater nela, seguindo as regras”.

#Crime