A professora Daiane Souza Silva, de 25 anos, estava se sentindo abandonada pela família. A carência era tanta que a professora resolveu forjar o próprio sequestro, para ver se algum de seus parentes prestava um pouco de atenção nela e estaria disposto a pagar R$ 2 mil reais para libertá-la.

Daiane saiu para estudar em Sobral, no Ceará, na terça-feira(16), e não voltou para casa. Na madrugada de quarta-feira (17), a família e os amigos da moça receberam áudios do que parecia ser um sequestro. Neste áudio, o ''sequestrador'' dizia que estava com Daiane em cativeiro e que desejava receber R$ 2 mil reais em até 24 horas para soltá-la.

Publicidade
Publicidade

Daiane ligou para a irmã, aos prantos, dizendo que foi sequestrada. A moça chora ao pedir à família que pague o resgate, que ela devolverá o dinheiro ''aos pouquinhos''.

Além da ligação e do áudio, a família recebeu ainda fotos de Daiane amordaçada.

Enquanto a família entrava em desespero, a #Polícia já considerava a história meio suspeita.

''Este valor (R$ 2 mil) é um valor muito baixo quando se trata de sequestro'', disse o inspetor Leonardo Menezes, da Delegacia Municipal de Sobral.

''Após análise das fotos e áudios, começamos a perceber que as fotos não pareciam se tratar de algo muito sério e que a voz se parecia muito com a voz disfarçada da própria vítima.'', disse Márcio Lopes, delegado de Sobral.

Os áudios são, de fato, tão falsos que ganharam a internet. Daiane tenta passar-se por um bandido, mas disfarça mal a voz e exagera na interpretação.

Publicidade

O resultado chega a ser engraçado; confira abaixo.

O inspetor Leonardo Menezes conta ainda que as imagens da professora amordaçada foram mostradas a alguns conhecidos de Daiane, para avaliar se alguém era capaz de reconhecer o local onde a moça poderia estar. Um rapaz reconheceu o local pela geladeira e deu o endereço à polícia.

Quando a polícia chegou, Daiane estava deixando o local com Michel Platini Farias Rodrigues, o dono do imóvel. Daiane e Michel vão responder por crime de extorsão qualificada. A pena varia de 4 a 10 anos nestes casos.

Em depoimento à polícia, a professora diz que estava apenas brincando, e que queria chamar a atenção da família, pois de sentia abandonada. Nenhum dos parentes quis dar entrevistas e o namorado da professora sequer quis falar com ela, pois estava muito irritado com a ''brincadeira'' de mau gosto da moça.

Daiane alegou sofrer de depressão e problemas psicológicos, algo que ainda será avaliado pela polícia. #2017 #Curiosidades