A operação intitulada Inconfidência Mineira foi inspirada no nome do bairro onde a célula do Primeiro Comando da Capital (#PCC) atuava e objetivava o cumprimento de mais de 80 mandados judiciais de buscas e apreensões, bem como prisões temporárias. A ação resultou na apreensão de computadores, celulares, chaves de veículo, quatro tijolos de maconha e diversas correspondências em que integrantes da facção pediam empréstimos financeiros para outros membros.

O delegado do caso, Fernando Santiago afirmou que, apesar do número de prisões não ter atingido a meta que esperavam, de modo que 22 indivíduos continuam foragidos, as informações obtidas com a apreensão de documentos importantes da facção permitiu identificar inúmeros membros do PCC, o que foi muito importante como produção de provas e que seguramente permitirão alcançar maiores informações.

Publicidade
Publicidade

Ao todo, nove pessoas foram presas.

As investigações começaram no ano passado com a prisão de dois homens ligados ao PCC que ocupavam o cargo de "sintonia", nomenclatura designada para identificar membros de importante valor hierárquico. Com essas prisões, a #Polícia obteve nomes de diversos integrantes, o que resultou na Operação Inconfidência Mineira, bem como em novas outras que estão para ser realizadas.

Foi desarticulada apenas uma célula, que atuava em São Paulo, mas policiais dizem que mais cinco células do PCC estão sendo alvo de novas operações. A ação contou com o apoio do Ministério Público estadual, o Demarco e Decap, além de policiais do Deic e do Denarc.

A polícia não informou quanto a organização movimentava em drogas e dinheiro em Cidade Tiradentes, bairro da Zona Leste de São Paulo.

Publicidade

"O inquérito policial investiga o crime de organização criminosa. Mas também foram averiguados crimes paralelos, como tráfico de drogas e roubo. Foram identificados vários braços financeiros da quadrilha”, afirmou o delegado Santiago.

A Polícia Civil de São Paulo afirmou que continuará com novas operações em conjunto com a Polícia Militar no que tange a desarticulação das células paulistanas do PCC, esforços esses que já contam com auxílio da Polícia Federal em se tratando de crimes cometidos no âmbito interestadual, assim como nos casos de tráfico internacional de drogas, um dos principais pontos de lucro da facção, que atualmente está presente em inúmeros presídios e cidades brasileiras, bem como estrangeiras. #crimeorganizado