Michele dos Santos Linhares, mulher do operador de Sérgio #cabral, Ary Ferreira da Costa Filho, que foi preso em fevereiro deste ano na Operação Mascate, resolveu pedir socorro para uma mulher conhecida como Neide. Michele procurou a mulher para que ela fizesse um "trabalho" contra os integrantes da Operação #Lava Jato no estado do Rio de Janeiro.

Essas informações estão no Relatório de análise de material, que foi apreendido na Operação pela Polícia Federal (PF) e está assinado pelo delegado Fernando Maia Menezes.

O Ministério Público Federal (MPF) acusa Ary de participar de um esquema criminoso comandado por Sérgio Cabral.

Publicidade
Publicidade

Ele era um dos principais operadores financeiros do ex-governador.

Tudo foi descoberto pela PF ao serem recuperadas mensagens compartilhadas pelo WhatsApp entre Michele e a Mãe de Santo. O celular da mulher do operador foi apreendido em fevereiro, um dia antes da deflagração da Operação Mascote. De acordo com o Relatório da PF, Michele costumava sempre pedir conselhos para a Mãe de Santo Neide.

Pelo celular, Michele enviou fotos e nomes de investigadores da Operação Calicute, para que Neide fizesse um "trabalho" forte contra eles. A PF descobriu também a relação do nome de cinco pessoas que, segundo Michele, queriam prejudicá-los. Entre esses nomes estão do ex-governador do Rio, Anthony Garotinho e de dois jornalistas.

Estranha aflição

Os agentes federais estavam desconfiados de que Ary e sua mulher estavam sendo informados sobre tudo o que acontecia na Lava Jato.

Publicidade

Alguém poderia estar vazando informações para eles. O delegado relatou no documento uma aflição estranha de Michele já próximo da deflagração da Operação. A PF percebeu que eles estavam sendo avisados de tudo o que acontecia, pois até mesmo no momento em que poderiam ser presos, o casal saiu de casa um dia antes, evitando a prisão.

Macumba

De acordo com o Relatório da PF, para que "o trabalho" fosse realizado pela Mãe de Santo, Michele deveria levar fotos para Neide. Ela pediu, por mensagem, que as fotos fossem impressas na casa da mulher, porque tinha medo de estar sendo monitorada.

Um dia antes da deflagração da Operação Mascate, Michele enviou as fotos para Neide e o nome dos investigadores da Operação Lava Jato do Rio. A impressão era de que o casal estava aguardando a operação policial para prendê-los.

Ainda não se sabe por quais meios eles ficaram sabendo dos detalhes da operação.