Os policiais de Petrópolis, no Rio de Janeiro, fizeram uma megaoperação nesta sexta-feira, 5. De acordo com informações dos repórteres do portal de notícias G1, que falaram diretamente com os agentes da lei no local, os investigadores descobriram pessoas que estariam ligadas à uma espécie de seita secreta. Os detalhes expostos pelo portal de notícias da Globo revelam que crianças seriam mutiladas e outros crimes aconteceriam, como o fato dos participantes da seita usarem nomes falsas para cometer as ações. Eles ainda são acusados de formarem uma organização criminosa, estelionato e até lavagem de dinheiro. Pelo menos sete homens e quatro mulheres chegaram a ser detidos pela polícia.

Publicidade
Publicidade

No entanto, os mandados de prisão da justiça formaram um número maior de pessoas, atingindo quinze.

O caso aconteceu no bairro de Itaguaí e, rapidamente, a notícia repercutiu em todo o país. As pessoas envolvidas foram levadas para uma delegacia da região, onde prestaram depoimentos tentando se explicar se cometeram ou não os atos. As prisões foram feitas pelos próprios policiais de Petrópolis. Os mandados de detenção foram expedidos pela 1ª Vara Criminal. Além de levarem os envolvidos à delegacia, a justiça ainda autorizou que fosse cumprido um mandado de apreensão e busca nos endereços da região. Pelo menos quatro pessoas ainda não foram presas e continuam sendo alvo da procura dos agentes da lei, que tentam, nesse momento, serem os mais rápidos possíveis.

Há até o nome do suposto "mestre" da seita.

Publicidade

Ele foi identificado como Donato Brandão Costa. Na operação, ele foi um dos que acabou sendo levado para a delegacia e preso. Segundo o G1, não era a primeira vez que aquele homem era preso. Pelo contrário. Ele recebeu uma condenação de mais de trinta e sete anos por outro #Crime, ter lesado o corpo de outra pessoa com muita gravidade. O homem também recebeu acusações de falsificar documentos, até mesmo governamentais. Em sua ficha policial, existem pelo menos outras quatro condenações.

A tal seita, de acordo com a investigação da polícia, começou ainda na década de 1990, mas em outro estado, no Maranhão. No entanto, após ficarem conhecidos na região, eles teriam se mudado para o município de Petrópolis. A mudança ocorreu no ano de 2013 e aconteceu na região da Serra Fluminense. Os investigadores ainda revelam que no passado encontraram roupas de menores enterradas em um terreno. Além disso, existiam vários livros de cirurgias, que seriam efetuadas nos menores. #Investigação Criminal