Um homem de 25 anos é considerado o principal suspeito de estuprar um menino de 11 anos, que ele chamava de "meu amor". O rapaz, que se dizia apaixonado pelo menino, invadiu um centro de recolhimento para menores sem pais, uma espécie de orfanato, no município de #Dourados, no Mato Grosso do Sul, na noite de quinta-feira (11). A cidade fica a mais de 200 Km da capital do estado, Campo Grande.

O sequestro e estupro do menino foi dado com destaque pelo portal de notícias da Rede Globo de Televisão, o G1. Um vídeo feito por câmeras de segurança mostra o momento que o homem entra na unidade de acolhimento e faz ameaças às mulheres que estavam no local usando uma faca.

Publicidade
Publicidade

Ameaças às mulheres

Uma era auxiliar do orfanato, a outra uma cuidadora e a terceira a filha dela. Em entrevista ao G1, a cuidadora, que é responsável por 12 crianças que estão na instituição, revelou que o homem foi extremamente agressivo. Em seguida, coube a ela pegar o menino e entregá-lo ao acusado. O menino ficou quieto e não disse nada em relação ao homem, que é seu vizinho.

O garoto foi recolhido por membros do Conselho Tutelar naquela noite e estava há apenas duas horas no centro de recolhimento. Foi o tempo suficiente para que o sequestro aconteceu.

No local, geralmente, ficam apenas crianças até 8 anos. No entanto, como o menino está com duas irmãs no berçário, os membros do Conselho Tutelar da região acreditaram que era melhor deixá-lo ali com a própria família.

Acompanhamento

Representantes do Conselho Tutelar da região não quiseram falar sobre o assunto.

Publicidade

Para entrar no local, o jovem pulou que tem cerca elétrica, mas que estava desligada no momento da invasão. Com uma faca, ele entrou e fez as ameaças às mulheres, que ficaram apavoradas.

Desde novembro do ano passado, o menino é acompanhado pelo Conselho Tutelar por suspeita de sofrer abuso sexual. Um exame de corpo de delito chegou a ser feito na criança, mas não confirmou nada.

Um novo exame seria feito nesta sexta-feira (12), já que os membros do conselho mantiveram a desconfiança. Já haviam duas queixas de estupro contra o jovem que levou o garoto, todas contra o mesmo menino, uma de novembro de 2016 e outra de quinta-feira. O menino e o jovem ainda não foram encontrados.

E você, o que pensa que deveria ser feito para evitar que crimes como esse aconteçam? Deixe o seu comentário. #Crime #Violência