A trágica vida de Andreas von Richthofen se tornou albo do noticiário brasileiro nesta terça-feira (30).O irmão da presidiária mais conhecida do país, Suzane von Richthofen, está internado em um hospital para pacientes com problemas psiquiátricos. O rapaz ficou marcado por uma tragédia pessoal. A irmã, Suzane, mandou matar os pais. Eles passaram a se comunicar muito pouco, desde que tudo aconteceu. Andreas foi encontrado pela polícia no quintal de uma casa em São Paulo. Ele seria usuário de crack e foi apreendido por agentes da lei, sendo levado para o Hospital Municipal do Campo Limpo. A informação foi dada com destaque pelo G1 e diversos outros sites de notícias.

Publicidade
Publicidade

Irmão de Suzane von Richthofen é retirado da Cracolândia em São Paulo

Andreas está com 29 anos. A irmã dele continua presa. Suzane está no presídio feminino de Tremembé. O boletim médico conta toda a história de Andreas. Ele estaria com "olhos vidrados", higiene muito ruim e roupas completamente rasgadas. O rapaz precisou ser contido pela polícia. Em contato com um médico, o irmão da presa mais famosa do país disse que é "paranoico". Ele seria usuário de crack e a reação fora de si seria um dos efeitos da droga. Ao pular o muro da casa, Andreas se machucou. O muro do local tem "pontas de lança", que perfuraram suas pernas. Após a morte dos pais, o irmão de Suzane tentou seguir sua vida e parecia travar uma trajetória de sucesso. Ele chegou a concluir o doutorado em química pela USP, uma das universidades de maior credibilidade em todo o país.

Publicidade

Transferência para hospital psiquiátrico

Durante a tarde, o jovem foi levado para outro hospital, que trata pacientes exclusivamente com problemas psiquiátricos. Na unidade de saúde, o rapaz teria dito que um suposto "imperador" o mandou invadir a residência. Andreas negou que use crack e que estivesse sob efeito da droga. Ele confessou, no entanto, já ter usado em sua vida álcool e maconha. O rapaz está dividindo um quarto com outros dois pacientes. O irmão de Suzane diz que tem medo de que alguém o mate e oscila entre momentos de lucidez e "loucura".

Hospital tem ala com pacientes andando livremente e tratamento diferenciado

A ala onde o doutor em química está tem um segurança e só dá para se chegar à ela com uma chave. Os pacientes podem transitar pelo local. A ideia é não dar a ideia de prisão. No local, os outros "internos" chamam o jovem de um novo nome, "André". Ele está deitado no chão, pois segundo os funcionários, pode cair devido aos surtos frequentes. Quando está lúcido, o rapaz chega a conversar rapidamente com outros pacientes. #Suzane Von Richthofen