Na noite desta última terça-feira (02), integrantes do movimento Direita São Paulo foram até as ruas, na Avenida Paulista, para protestar contra a #Lei da migração, que já está em andamento no Senado Federal. O motivo do confronto não foi realmente confirmado, mas, segundo manifestantes, um estrangeiro jogou uma #Bomba caseira, machucando pessoas que estavam ali protestando contra a Lei que facilita a entrada de mais estrangeiros no Brasil.

A Polícia Militar conseguiu amenizar a situação e deteu três pessoas que teriam causado intrigas no manifesto. Hoje pela manhã (3), em frente ao 78° Departamento de Polícia, cerca de 50 pessoas fizeram uma vigília para os detidos, apoiando os presos e pedindo para que a polícia solte ao acusados, incluindo o responsável por ter tacado uma bomba sobre os manifestantes.

Publicidade
Publicidade

Um homem de 28 anos conseguiu sair da cadeia e um rapaz de 17 anos, que também interferiu, foi solto. Ambos foram acusados de desobediência. As informações foram dadas pela Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP).

O integrante do grupo "Palestina Para Todos", Hasan Zarif, que também é dono de um restaurante palestino em São Paulo, está entre os detidos. Não há informações confirmadas, mas integrantes da Direita São Paulo afirmaram que um estrangeiro foi o responsável pela bomba, e que ele poderia ser Hasan Zarif.

O advogado Hugo Albuquerque, que defende o palestino, afirmou que a Polícia demorou para passar informações para a família do rapaz e que o confronto começou com discussões que levaram a todos a uma agressão.

Nas redes sociais, é possível ver um vídeo gravado pelos manifestantes da direita, em que explicam estar protestando pacificamente até serem atacados sem nenhum motivo.

Publicidade

No vídeo, um manifestante diz que "comunistas tem que morrer" e que uma mulher teria ficado machucada. Eles também agradecem a ação da Polícia Militar que conteve os agressores. Veja a seguir o vídeo da confusão no centro de São Paulo.

A Lei da Migração é uma proposta que está no Senado Federal, na qual apoia com maior facilidade o acolhimento de estrangeiros no país. O Grupo Direita São Paulo se mostrou contra a iniciativa e avaliaram que as consequências do protestos resultaram em um "atentado terrorista".

Na página do restaurante "Al Jariah", cujo dono é o palestino detido pela polícia, foi postado apoio ao imigrantes e criticaram a ação da PM. #Manifestação