Devido à #Crise política e financeira que o país passa, muitos brasileiros estão saindo do Brasil. A atitude que virou motivo de piada em 2014, quando a presidente Dilma Rousseff ganhou a eleição presidencial, agora vem ocorrendo de forma concreta.

Mais de 18 mil cidadãos já se tornaram emigrantes em 2016, e o número vem aumentando. "Conheço clientes que estão saindo do país por motivo da imprevisibilidade que ocorre no Brasil. Muitos estão mudando pela crise e com isso levam o capital para o exterior", diz Fernando Bergallo, diretor de Câmbio da FB Capital.

O perfil do brasileiro que está indo para fora do país é de empresários e investidores.

Publicidade
Publicidade

Na sua maioria, não deixarão o negócio no Brasil, irão administrar em uma nova ponte aérea (Brasil-EUA).

Com previsão de mudança após o primeiro semestre, Francisco Mattos vê a insegurança também como motivo para sair do Brasil. "Em agosto irei mudar, já está tudo encaminhado para #Miami e levarei minha família. Não pretendo criar meus filhos nesta insegurança e pela crise econômica que cria dificuldades", diz o empresário do ramo agropecuário.

Melhor clima

Na busca por um clima mais amistoso, os brasileiros estão decidindo pelo Sul da Flórida quando querem mudar. Dados de imobiliárias americanas mostram que 53% escolhem Miami e outros 12% preferem Orlando. A FB Capital, empresa que é líder de remessa de dólares para o exterior, tem visto a procura por clientes que estão comprando imóveis não mais para veraneio, mas para acomodar a família.

Publicidade

"Os brasileiros estão voltando a investir no exterior. Alguns preferem diversificar os investimentos comprando imóveis, mas o número dos que estão indo morar vem crescendo", comenta Bergallo. O diretor de operações da corretora de câmbio percebe que alguns investidores estão pensando também em começar a investir no país do Tio Sam.

“Alguns pensam em ganhar uma renda extra por lá, além do que ganham aqui. Seja por aluguéis ou até no ramo em que atua no Brasil”, comenta. No mesmo pensamento, Francisco Mattos prefere não afirmar, mas é algo que possivelmente pode acontecer.

“Não digo que irei com esta intenção, quero ir para melhorar a qualidade de vida da minha família, mas, após a compra do apartamento, penso em investir em imóveis ou até no ramo da pecuária”, disse o empresário.

Indo com o visto F2, o pecuarista irá como dependente da filha, a nova estudante do ensino acadêmico americano e não pensa em se “desligar” dos negócios que tem no Brasil. “Como minha filha irá estudar fora, irei com visto F2, de dependente do F1, mas não pretendo largar o que tenho no Brasil, irei fazer visitas periódicas”, comenta. O código F1 para os vistos significa a liberação para os estudantes. #pais