Quem são os curadores do Baleia Azul e como eles agem para fazerem com que os 50 desafios do jogo sejam cumpridos? O portal de notícias R7 e a RecordTV se uniram para achar essa resposta e acabar desvendando todos os mistérios sobre o que, para muitos, pode ser apenas uma brincadeira da internet.

A reportagem feita pelas mídias citadas acabou encontrando um dos curadores do jogo aqui no Brasil. É ele quem decide quem vai morrer. O motivo para que as mortes sejam concretizadas, segundo o rapaz, é que ele gosta de ver as pessoas sofrerem. Apesar dos segredos assustadores revelados, a reportagem acaba sendo elucidativa e pode ajudar muita gente a deter tais criminosos.

Publicidade
Publicidade

Jovem que decide quem vai morrer no Baleia Azul dá detalhes sobre sua mente diabólica

A reportagem da Record foi acompanhada pelo delegado José Mariano de Araújo Filho. Ele garantiu que só havia visto um psicopata em 30 anos de carreira. Esse seria o segundo em todo esse tempo.

Uma equipe de jornalistas, a fim de chegar aos curadores do jogo, fingiu ser uma jovem de 19 anos, frágil e tentando se matar. Uma presa fácil para quem quer causar o mal em outras pessoas. A reportagem ainda cita que muitos grupos que divulgam o jogo são montados na internet e que para chegar a quem realmente coordena dos desafios não foi fácil.

O primeiro contato foi feito e a entrega da primeira tarefa também. No geral, as primeiras coisas do desafio são simples e não parecem ameaçadoras, como ver um filme de terror ou uma maratona deles.

Publicidade

Achar a identidade verdadeira desse curador, chamado de "calango" ,não foi fácil. Ele usava de artimanhas para não ser achado.

Uma delas era o uso de internet pré-paga. Aos poucos, tudo foi conseguido, pois "calango" foi encontrando confiança. Maquiadores foram usados para fazer cicatrizes em uma produtora. Ela se passou pela jovem e ele acreditou em tudo.

Conforme os jornalistas aceitavam os tais desafios, a relação entre as partes se aproximavam. Foi então que eles decidiram fazer um encontro com o curador. Muitas câmeras ocultas foram usadas e quatro dias foram necessários para achar o aparato correto. Para que não houvesse desconfiança, a jornalista que fingia se mutilar usou esparadrapos especiais pelo corpo.

Os dois conversaram no restaurante de um hotel. Ele não chamou a atenção dos seguranças, seguindo com um andar firme. Aos 23 anos, o jovem trabalha como pedreiro. "Calango" disse para a produtora que ele mesmo fez os 50 desafios, mas que sobreviveu, após ficar dias em “coma profundo”.

Ele não buscava o prazer pelo sexo, buscava o prazer pela dor, pelo ato de dominar e provocar sofrimento. Pelo sadismo de observar a dor da vítima. E apenas por ela é que ele decidia quem vai morrer. #Baleia Azul #BaleiaAzulBrasil #Crime