Um fato inusitado ocorreu na noite da última terça-feira (30) em Balneário Camboriú, litoral norte de Santa Catarina. Um rapaz de 19 anos foi preso em flagrante por policiais militares ao se passar por médico. Por volta das 19h, o rapaz, trajando um jaleco, apresentou para alguns funcionários do hospital um documento solicitando um novo crachá. Desconfiados do rapaz, os funcionários o detiveram e chamaram a Polícia Militar.

A prisão

Logo em seguida, policiais militares chegaram ao hospital e detiveram o jovem. A Polícia Militar informou que a suspeita era de o jovem queria era praticar um furto. Ainda conforme os policiais, além do crachá, o rapaz portava um bloco de receituário e um estetoscópio.

Publicidade
Publicidade

Já o documento médico que o jovem portava, segundo a PM, era falso e pertencia a um médico para o qual o rapaz já havia trabalhado como cuidador. O falso médico já possuía contra si pelo menos 10 boletins de ocorrência, de crimes como fraude, furto e estelionato. Após os procedimentos na Delegacia, o rapaz foi encaminhado para o presídio da Canhanduba. O advogado de defesa preferiu não se manifestar sobre o caso.

A Justiça determinou a soltura do rapaz, pois o mesmo não teria praticado o crime com violência ou grave ameaça e os bens que teriam sido furtados já haviam sido devolvidos às vítimas.

O jovem na verdade é um técnico de enfermagem e morava em Itajaí, famosa cidade portuária, vizinha a Balneário Camboriú. O hospital não informou se o rapaz preso tinha algum vínculo empregatício com a Unidade.

Publicidade

Exposição nas redes sociais

O falso médico também possui um canal no Youtube e em um dos vídeos escreve que é formado em medicina, em 12 temporadas de Grey´s Anatomy, famosa série de TV. Já em seu perfil na rede social Facebook, o falso médico, em maio do ano passado, postou uma foto de jaleco e descreveu que "a enfermagem é uma arte". Ainda teria marcado o hospital onde ocorreu a prisão.

Incidência de casos no Brasil

No caso acima, o rapaz não estava atuando como médico no momento da prisão. A suspeita era de que ele queria furtar o hospital. Já no Brasil, ocorrem vários casos de pessoas que atuavam como médicos, sendo que alguns chegavam a falsificar certificados e diplomas. Entretanto, a legislação trata o caso como exercício irregular da profissão, contravenção descrita no artigo 47 da Lei de Contravenções Penais, que prevê uma punição de prisão simples de 15 dias a três meses ou multa. #falsomedico