Um encontro amoroso entre uma juíza, uma amiga e mais três vereadores da cidade de Piraí, no Rio de Janeiro (RJ), terminou com agressões físicas, verbais e ameaças de morte dentro de um quarto de hotel, em Brasília. Conforme informações divulgadas por meios de comunicação, o fato aconteceu no dia 28 de abril, mas somente na semana passada foi divulgado para os meios de comunicação. A juíza, que preferiu ser identificada apenas como Yara, de 32 anos, relatou que pensava que ia morrer.

Narrando o acontecido, Yara relata que ela, sua amiga e três vereadores, um do PTdoB, um do DEM e outro do PDT, estavam em Brasília participando da Marcha dos Vereadores.

Publicidade
Publicidade

Segundo a juíza, todos estavam dentro de um quarto, e, em determinado momento, sua amiga foi ao toalete com o vereador do PTdoB, e ela ficou com os outros dois vereadores. Conforme informações, neste momento, o vereador do DEM e do PDT tiraram suas roupas e ficaram apenas de peças íntimas, em seguida, começaram a se beijar. Segundo Yara, neste momento, ela foi convidada pelos envolvidos para participar da orgia. Yara por sua vez, recusou-se, e nesse momento os vereadores ficaram revoltados e começaram a agredir a mulher.

Conforme relata a vítima, o vereador Júnior Rocha, do DEM, deu um tapa em seu rosto, relatando que ela não estava com nada. Segundo a vítima, ela gritou por socorro, e foi nesse momento que o vereador Flávio Banana, do PTdoB, que estava no banheiro com a sua amiga, saiu para ver o que estava acontecendo.

Publicidade

Yara relata que a sua amiga colocou um vestido e saiu do local.

Segundo relatos, Yara teria pedido para Flávio não deixá-la só com Paulo, mas ele se recusou a ficar e saiu do local. Paulo foi até a vítima e mordeu a sua bochecha, dizendo que ela era bonita. De acordo com Yara, ele a jogou no chão, pegou uma faca e encostou em seu pescoço, ameaçando matá-la comer a sua carne e beber o seu sangue.

Quando ela conseguiu siar do quarto, encontrou a sua amiga e registrou um Boletim de Ocorrência na 5ª Delegacia de Polícia (área central). Segundo informações, na quarta-feira (31), Yara foi chamada para apresentar mais detalhes sobre o caso.

O outro lado da história

Segundo o vereador Rocha, a juíza estava com a sua amiga, mas ela teria se oferecido para fazer um programa e teria cobrado mil reais, mas ele se recusou a pagar. Rocha relata que a juíza cobrou R$ 50 mil reais para ficar calada. O político disse que vai processar a mulher. #Abuso #Crime #Casos de polícia