Uma notícia tem abalado os turistas e fãs da folia carioca. Sabe-se que a crise econômica tem dificultado o andamento normal das instituições governamentais e da vida financeira das pessoas. Crise que tem gerado um aumento no desemprego e uma grande barreira que impede muitas pessoas de conseguirem ter uma renda. Agora, quem pretendia obter uma renda nas proximidades do sambódromo na época de Carnaval corre o risco de não conseguir nada, pois foi anunciado que haverá a suspensão do desfile do #Carnaval 2018.

A Prefeitura do #Rio de Janeiro anunciou um corte de verbas de 50% para as escolas no próximo ano. Segundo o prefeito #Marcelo Crivella, o dinheiro será repassado para a manutenção de creches ligadas à Prefeitura.

Publicidade
Publicidade

O repasse de verbas para escolas de samba seria de mais de R$ 20 milhões. Porém, o governo municipal do Rio de Janeiro decidiu cortar o repasse dessa verba, o que não deixou a Liesa (Liga Independente das Escolas de Samba), que representa as agremiações, feliz.

Como a diferença no repasse de verba de destinada às creches conveniadas à Prefeitura, a decisão tem deixado as opiniões da sociedade divididas, pois há quem concorde e quem discorde da decisão. A Liesa, que é responsável pela relação e organização entre as participantes dos desfiles no Rio de Janeiro, faz parte da parcela que discorda da decisão da Prefeitura.

Segundo nota divulgada na noite de quarta-feira (14), a Liesa afirma estar surpresa com a decisão do prefeito Marcelo Crivella, que antes teria prometido um aumento na verba para as escolas de samba.

Publicidade

Em nota, a entidade afirma ainda que o Carnaval é importante economicamente para a cidade do Rio de Janeiro, pois aumenta o turismo e gera aumento de empregos e renda para as pessoas que trabalham durante o período de folia. Aumenta também a arrecadação de impostos, que gera bilhões para o governo do Rio de Janeiro.

A Liesa afirma que o corte de verbas torna a realização do desfile algo inviável para as escolas de samba. Espera-se, por parte das escolas de samba e das pessoas que gostam do Carnaval na Sapucaí, que se reverta a situação.

Vale ressaltar que a decisão de corte de verbas foi diretamente para as escolas de samba, o que acarretou na suspensão do desfile especificamente. Mas isso não significa o fim do Carnaval de rua, que poderá acontecer normalmente e que também geram emprego e renda.

Tanto o Carnaval de rua quanto os desfiles no Sambódromo atraem turistas, mas com a suspensão dos desfiles poderá provocar uma mudança nas estatísticas de turismo durante o período carnavalesco no Rio de Janeiro.