A marca de chocolates Snickers acaba de receber uma nova denúncia de #machismo em uma de suas campanhas publicitárias.

A primeira polêmica envolvendo a marca ocorreu no lançamento de dois comerciais para a televisão com as atrizes Cláudia Raia e Betty Faria. Nestes vídeos publicitários, Cláudia e Betty interpretam mulheres fazendo escândalo e reclamando que, ao comerem os chocolates Snickers, voltam a ser garotos tranquilos. O slogan dos comerciais é: ''Você não é você mesmo quando está com fome.'' Internautas questionaram porque a imagem da pessoa nervosa e ''reclamona'' estava associada sempre a uma mulher.

Desta vez, a polêmica surgiu a partir do lançamento, no último final de semana (17) das novas embalagens promocionais da marca, que seguem a mesma linha dos comerciais para a TV.

Publicidade
Publicidade

Nelas, estão escritos dizeres como ''Mimimi'', ''Reclamona'' e ''Lesada'' em referência a sentimentos negativos de uma pessoa que está com fome.

Uma vez que os dizeres ''ofensivos'' nas embalagens encontradas na maior parte dos pontos de venda estão apenas no gênero feminino - com exceção de ''Mimimi que compreende ambos gêneros - não demorou muito para os internautas encherem a página do Facebook da marca com denúncias a respeito de machismo nas campanhas publicitárias do chocolate Snickers.

A Mars, empresa que coordena a marca Snickers, foi procurada pela equipe de reportagem da UOL, e afirmou que esta é uma campanha global na qual foram feitas pesquisas para definir 31 ''sintomas'' da fome, para ambos os gêneros.

Publicidade

Os representantes da marca afirmaram ainda que as embalagens ainda estão chegando aos pontos de venda, e que por essa razão, os consumidores poderão encontrar apenas adjetivos de um gênero ou outro, bem como apenas parte dos adjetivos utilizados na campanha.

Após a polêmica, a Snickers publicou em seu Facebook um GIF, com os dizeres das embalagens em ambos os gêneros, e uma brincadeira:

''Ficar com fome é uma barra para todo mundo. Descubra qual é a sua.''

Outras denúncias

Em janeiro deste ano, a marca Ruffles foi acusada de racismo ao colocar um modelo negro para estampar a embalagem de sua nova batata frita sabor feijoada. Acontece que o ''modelo'' estampado na embalagem era ninguém menos que o criador do novo sabor, escolhido através da campanha “Faça-me um #Sabor“, promoção já tradicional da marca na qual os consumidores são convidados a desenvolver novos sabores para o produto.

Publicidade

O sabor Feijoada foi selecionado entre 30 sabores finalistas; os próprios consumidores deveriam eleger o melhor sabor através de votação.

O paranaense Reginaldo C. de Moraes recebeu R$ 10 mil em barras de ouro e 1% das vendas do sabor ''Feijuuuca'', criado por ele e eleito pelos consumidores. Reginaldo disse que a motivação para a criação do sabor foi fazer algo tradicional do paladar brasileiro.

A PepsiCo Brasil, proprietária da marca Ruffles, chegou a emitir uma ''nota de bom senso'', em razão da polêmica gerada pela embalagem da batata frita sabor feijoada.

“Está na hora de deixarmos de lado os exageros e praticarmos o bom senso na avaliação do comportamento que envolver preconceito”, declarou a empresa. #Sociedade #2017