Uma jovem foi presa pela polícia acusada de assassinato, na cidade de Nerópolis, na Região Metropolitana de Goiânia. A vítima foi identificada como Naiara Silva Costa, de 22 anos. A acusada de ter cometido o #Crime foi identificada como Suelen Coimbra do Carmo, de 27 anos. Segundo informações da polícia, a vítima foi atraída pela acusada alegando que ia dar roupas de bebê para a vítima. Quando a vítima chegou na casa da acusada, ela foi drogada e depois teve a barriga cortada para retirar o bebê do útero da mãe, matando os dois. A polícia disse que a suspeita enterrou o corpo de Naiara em uma sepultura rasa no quintal de sua casa. Conforme a polícia, o crime aconteceu na terça-feira (27).

Publicidade
Publicidade

A mulher confessou o assassinato e disse que conheceu quando a vítima após ela ter publicado um pedido on-line para obter ajuda para roupas para o bebê. "Naiara morreu de uma maneira aterradora e indefesa, provavelmente sabendo que sua criança seria tirada dela. Ela foi dopada com uma poderosa dose de Rivotril, uma droga letal que incapacita a vítima. Uma vez que a medicação tomou conta, a acusada confessou que amarrou uma corda ao redor do pescoço da vítima e a pendurou até ter certeza de que Naiara estava morta. Carmo nos disse, naquele momento, o bebê ainda estava vivo e se movia no ventre da mulher”, disse a detetive Azuen Magda Albarello.

Segundo a delegada, a acusada usou um bisturi para cortar a barriga da vítima. "Ela pegou um bisturi e cortou a barriga da grávida.

Publicidade

Mas ficou chocada ao descobrir que o bebê estava mal, porque o cordão umbilical estava enrolado duas vezes ao redor do pescoço da criança. Carmo tentou dar vida à criança, mas todas as tentativas de ressuscitar falharam", acrescentou a delegada. Conforme informações, dois meses atrás a suspeita teve um aborto, mas, de acordo com os vizinhos, ela continuava a usar grandes vestidos fluídos para parecer que estava “grávida”. Um vizinho da vítima, identificado como Marcos Pereira, relatou que a mulher havia pedido para ele cavar um buraco, pois, segundo a mulher, ela queria plantar algumas cebolas.

"Suelen me chamou para perguntar se eu poderia fazer um favor porque queria plantar algumas cebolas de primavera em seu jardim, mas como estava grávida, seria difícil. Eu não vi nenhum problema. Eu cavei o suficiente para plantar vegetais, mas ela insistiu no buraco de um metro de profundidade por dois metros de largura. Quando ela fez isso, já achei tudo estranho. Fazer uma plantação em um metro para baixo da terra? Para que isso?", questionou.

"A evidência indica que este crime hediondo foi pré-planejado e acreditamos que ela teve a intenção de obter um bebê para si mesma após a perda de seu próprio filho", disse o delegado Albarello. Conforme relatórios da polícia, a acusada, que tem um registro policial por tráfico de drogas, enfrenta duas acusações de assassinato e foi internada em custódia para comparecer no tribunal no próximo mês. #Investigação Criminal #Casos de polícia