A população está mais do que nunca refém da criminalidade e do medo imposto pela #Violência. Condenada a viver atrás de muros e grades, grande parte das pessoas já passou por momentos terríveis de desespero durante algum roubo.

A maioria dos assaltantes tem como objetivo “apenas” subtrair os bens da vitima, mas nem sempre é isso com acontece. A população brasileira enfrenta o aumento dos índices de latrocínio (roubo seguido de morte), o que aumenta ainda mais o medo de sair às ruas.

O melhor do Brasil é o brasileiro

Com toda a influência das notícias sobre o aumento da criminalidade, uma dupla de amigos resolveu sair às ruas “assustando” as pessoas com a típica abordagem que os criminosos usam.

Publicidade
Publicidade

Com duas pessoas em uma moto, os bandidos costumam abordar pessoas nas ruas. O condutor para repentinamente, o carona desce da moto e toma os bens da vitima, com o famoso grito de “perdeu, perdeu”.

Esses amigos resolveram interpretar um suposto pedido de informação de endereço com a mesma abordagem súbita de descer da moto repentinamente, pedindo para os pedestres pararem onde estão. A reação dos pedestres a essa abordagem é hilária e um tanto triste, que leva a constatar que a maioria espera o #assalto.

Alguns tentam correr. Uma senhora ficou sem reação ao ser abordada. No final de cada aproximação, a dupla explica que é apenas uma “#pegadinha” e busca acalmar os pedestres. Veja o vídeo da brincadeira:

A violência no dia a dia

O vídeo mostra que a maioria das pessoas ao ser abordada inesperadamente reage com pânico e espera que o pior vá acontecer.

Publicidade

Algumas já levantam os braços em forma de rendição e outras tentam fugir, sem sequer ouvir o que o rapaz que as aborda diz.

Quando a ‘’pegadinha’’ é revelada, a maioria fica enfurecida. O temor do que pode acontecer hoje é tão grande na sociedade que gera o medo a qualquer sinal do desconhecido.

A brincadeira mostra que o convívio está cada vez mais difícil, o medo se tornou fator de pânico. A triste realidade vivida pelo brasileiro é de um cotidiano de violência explícita e incertezas do que pode advir.

Renato Sérgio de Lima, membro do Conselho de Administração do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, diz: "Esse pânico tem de ser considerado. Segurança pública não é só enfrentamento do crime, ela também é responsável pela construção da sensação de segurança”. Luciana Guimarães, do grupo Sou da Paz, complementa: "É por isso que temos cada vez mais medo de frequentar espaços públicos e vivemos trancados”.