Um #Crime absurdo que aconteceu no Rio de Janeiro está ganhando destaque neste final de semana em toda a mídia. Uma menina de apenas 13 anos acabou sofrendo um estupro coletivo durante o tempo em que era para estar na aula.

O abuso aconteceu na escola da estudante, o Colégio Estadual Padre Melo, localizado na cidade de Bom Jesus do Itabapoana, na Região Noroeste do estado. De acordo com o delegado que investiga o caso, Bruno Cleuder, 14 outros estudantes teriam estuprado a garota. O estupro ocorreu mais de uma vez e em pontos diferentes da escola.

Menina é estuprada por vários alunos em escola do Rio de Janeiro

O delegado explica que a menina não foi estuprada uma única vez, mas pelo menos em cinco oportunidades.

Publicidade
Publicidade

O investigador explica que os abusos aconteceram entre os meses de maio e junho deste ano e que a menina era ameaçada.

Por isso, demorou para contar o caso para a família. A vítima, que não pode ter o nome identificado, está recebendo agora ajuda psiquiátrica e psicológica por tudo o que aconteceu.

Caso de estupro foi denunciado por conselheira tutelar de cidade

A Polícia Civil, como mostra uma reportagem sobre o caso, revela que tudo apenas foi revelado por conta de uma conselheira tutelar. A mulher ficou sabendo do crime por uma outra aluna da escola, que viu tudo e ficou apavorada.

Para piorar a situação, segundo o delegado, em poucos dias de apuração, chegou-se à conclusão que há evidências de que a direção da escola estava sabendo de tudo o que aconteceu, mas mesmo assim não procurou as autoridades competentes para resolver o assunto.

Publicidade

Adolescentes confirmam sexo coletivo, mas avisam: 'Foi com o consentimento dela'

O delegado do caso revelou em entrevista à TV Globo que já teve conversas com os alunos responsáveis pelo ato abominável. Ele diz que alguns estudantes teriam visto o estupro e outros participado do ato.

Todos os ouvidos até agora confirmam o sexo coletivo, mas negam que tenha sido um abuso. Os estudantes alegam que a menina consentiu a situação com vários rapazes na sala de aula.

Responsáveis podem ser punidos pelos atos dos filhos

Os crimes, além da sala de aula, segundo o delegado, também chegaram a ser realizados em uma área aberta da quadra da escola. Os estudantes tiveram o cuidado de cometer o abuso em espaços onde não existiam câmeras.

O delegado explica que agora os estudantes ou seus responsáveis vão responder pelo crime de estupro contra vulnerável. O inquérito do caso já está quase em fase de conclusão. A Secretaria de Educação do estado do Rio de Janeiro disse que acompanha o caso e apoia a polícia na apuração. #Violência #Investigação Criminal