Exatamente um mês após ter sido alvejado, ainda antes de nascer, na barriga da própria mãe, o menino Arthur, que comoveu o Brasil, é declarado morto. O bebê que foi baleado na barriga da mãe na cidade de Duque de Caxias, Baixada Fluminense, morreu às 14h05, segundo informações da Secretaria Estadual de Saúde do Estado do Rio de Janeiro. A nota ainda informa que o pequeno Arthur teve seu quadro de saúde complicado por conta de uma hemorragia, durante a madrugada desde domingo, 30.

A família já compareceu ao hospital onde o pequeno se encontrava internado e já providenciou os trâmites para envio do corpo ao Instituto Médico Legal (IML), procedimento que é padrão no caso do menino, que foi baleado.

Publicidade
Publicidade

Menino Arthur, baleado na barriga da mãe, é declarado morto neste domingo

Como foi amplamente noticiado há exatamente um mês, a mãe do pequeno Arthur, #Claudineia dos Santos Melo, foi baleada numa troca de tiros entre policiais e traficantes, na Favela do Lixão, município de Duque de Caxias, Baixada Fluminense. Para quem não conhece, a Baixada é uma das regiões mais perigosas do Brasil e registra a marca de dois tiroteios por dia.

Nesta troca de tiros entre polícia e tráfico, acabou sobrando para Arthur, que ainda nem tinha nascido. Ainda na barriga da mãe, foi atingido pelo tiro que Claudineia levou. Na época, a mãe grávida foi levada ao Hospital Moacyr Carmo e, no mesmo momento, os médicos já providenciaram a cesariana de emergência na tentativa de salvar a criança. Logo após o parto, Arthur foi transferido para um hospital de maior recurso, o Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, que possuía UTI neonatal.

Publicidade

Por lá, Arthur ficou até a tarde deste domingo, quando foi constatada sua morte.

Arthur, se sobrevivesse, carregaria consigo as marcas da violência por toda a vida

Ainda cabe lembrar que os médicos constataram, dois dias depois de seu nascimento, que o bebê carregaria as marcas da violência do Rio para o resto da vida. O bebê ficou paraplégico, ou seja, perdeu os movimentos da cintura para baixo.

Polícia constatou que o tiro que matou Arthur partiu do tráfico

A polícia se empenhou ao apurar o caso do menino Arthur que mobilizou todo o Brasil. Em uma investigação detalhada, a Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro concluiu que o tiro que matou Arthur partiu dos traficantes locais e não da polícia. E ainda que o tiro que matou a criança e feriu a mãe partiu de dentro para fora da favela e não o contrário.

Em nota, Secretaria Estadual se solidariza com família

A direção do Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, emitiu nota conjunta com a Secretaria de Saúde, relatando que Arthur sofreu uma forte hemorragia digestiva na madrugada deste domingo, e mesmo com todas as tratativas o menino não resistiu e veio a óbito às 14h05 deste domingo, 30. A nota termina com o hospital e Secretaria prestando solidariedade à família e se colocando à disposição de pais e família.

Comente! #Arthur morreu #menino baleado na barriga da mãe