Uma reportagem publicada na quarta-feira (5) pelo portal de notícias G1 relata que a polícia está investigando uma mulher, identificada como Lidiane, acusada de sequestrar e torturar uma mulher. A vítima foi identificada como Taís, de 18 anos, que, segundo a acusada, teria um caso amoroso com seu esposo, que está preso. Segundo informações divulgadas por imprensa local, o sequestro e a tortura aconteceram no mês de junho, mas só agora o caso veio à tona, após o #Vídeo ser divulgado nas redes sociais.

As imagens mostram com clareza a vítima sentada no banco da frente do veículo, completamente nua, e, ao lado, a acusada. Toda a cena é gravada por outra terceira pessoa, que, segundo informações, seria uma amiga da suspeita.

Publicidade
Publicidade

Conforme afirma o portal G1, o caso aconteceu na cidade de Barretos (SP). O delegado da cidade, Marcos Eduardo, relatou que a acusada foi intimada para comparecer na delegacia para prestar mais esclarecimento sobre o caso, mas ela não apareceu. A família da vítima relatou que todos estão chocados com o caso.

Vídeo

O vídeo gravado em um aparelho celular mostra a acusada e a vítima sentadas no banco do passageiro, cobrindo suas partes íntimas com as mãos. Durante o trajeto pelas ruas da localidade, a suspeita diz para a vítima que o esposo poderia ficar com qualquer mulher, menos com ela, pois ela havia sido tirada da favela, alegando que o marido também tinha sido. Em determinado momento do trajeto, Lidiane para o veículo para comprar uma gilete.

Veja o vídeo logo abaixo

Ao retornar para dentro do veículo, a mulher começa a raspar as sobrancelhas da jovem, que já aparece nas imagens com a cabeça raspada.

Publicidade

O caso está sendo investigado pela Delegacia de Defesa da Mulher da cidade onde ocorreu o #Crime. Segundo o vice-presidente da OAB, Belisário Rosa Leite, a acusada pode responder pelos crimes de lesão corporal e tortura. Ele classificou o vídeo como sendo cruel e nojento. "A sociedade não admite isso nem contra um animal, quanto mais contra um ser humano. É um vídeo extremamente violento”, disse

Conforme a advogada Fernanda, a família da vítima não fazer uma queixa contra a acusada e a entidade não pode tomar as medidas necessárias dentro da lei. O portal G1 entrou em contato com a suspeita por telefone, mas ela apenas disse que não que comentar sobre o assunto. Segundo os vizinhos da vítima, após o vídeo ter uma grande repercussão em vários meios de comunicações, a mulher mudou de casa. #Casos de polícia