Harryson Almeida Marson vive em Monte Santo de Minas (MG), município localizado a cerca de 5 horas de carro de Belo Horizonte. Aos 29 anos, Harryson vive com a mulher e dois filhos pequenos, é técnico em informática e, até pouco tempo atrás, dedicava boa parte de seu tempo à música.

Cantor e pianista, o rapaz ainda toca com os integrantes de sua antiga banda de rock, mas hoje em dia, a música é apenas um passatempo para Harryson. O objetivo principal do rapaz agora é outro.

Harryson agora sonha com a criação do Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Brasileiros (PNSTB), cujos ideais estariam fundamentados no Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães, mais conhecido como o Partido Nazista de Adolf Hitler.

Publicidade
Publicidade

''Quero ser para os brasileiros o pai que Hitler foi para o povo alemão'', declarou o rapaz, que utiliza o Facebook para divulgar suas ideias e recrutar seguidores para seu futuro partido. Tanto na página do partido quanto em seu perfil pessoal, Harryson compartilha imagens e dicas de leitura relacionadas ao nazismo.

Algumas de suas postagens são bastante polêmicas. Algumas desejavam a morte da ex-presidente Dilma Rousseff, de presidiários, de gays e dos sem-terra.

Harryson, que prefere ser chamado de Harry, diz que sua conta no Facebook, que conta com cerca de 1,7 mil seguidores, já foi bloqueada diversas vezes após usuários denunciarem seu conteúdo por discurso de ódio e conteúdo inapropriado.

''Estes bloqueios acontecem porque Mark Zuckerberg [o criador do Facebook] tem origem judaica'', afirmou o rapaz em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo.

Publicidade

''Muitas pessoas ainda acreditam no Holocausto, que eu chamo de 'holoconto''', continuou Harry, que jura que os historiadores distorceram muito este momento da história, e que o Holocausto como conhecemos jamais ocorreu. Harry nega ser racista. Para provar, o rapaz exibe uma foto com seu melhor amigo, um rapaz negro, em seu Twitter.

Ao falar sobre o neonazismo, Harry fica bastante contrariado. ''Não sou a favor de derramar sangue inocente. Sou religioso.'' O rapaz faz parte da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias em sua cidade, em Minas Gerais.

Em nenhum momento, o rapaz considera seu novo ideal como um discurso de ódio ou como apologia a crimes raciais, mas, sim, como uma defesa a liberdade irrestrita de expressão, à qual, segundo ele, todos deveriam ter o direito. Além disso, Harryson acredita que a criação do Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Brasileiros ajudará o brasileiro a resgatar sua ''superioridade''.

''Não estou cometendo nenhum crime. Se estivesse, estaria preso'', declarou o jovem. Em um determinado momento da entrevista, Harry menciona ainda o presidente norte-americano, Donald Trump. ''Eu faria como o Trump e construiria um muro em toda a fronteira do #Brasil''. #Política #Mundo