É possível explicar um estupro? O que leva alguém a ser um abusador ou uma vítima? Apesar de a sociedade fazer estereótipos da situação, a prática mostra que todos os tipos de pessoas podem ser de criminosas à vítimas.

Prova disso é o que aconteceu com João*, nome fictício dado pelo portal UOL a um homem que foi estuprado pelo próprio irmão no estado de São Paulo. Hoje com 31 anos, ele conta que foi abusado sexualmente pelo irmão durante 17 anos.

O homem foge de todos os padrões do que é uma vítima. Os últimos estupros aconteceram quando ele já tinha 26 anos de idade. João é um homem forte, másculo e chegou até a trabalhar de segurança.

Publicidade
Publicidade

Mesmo assim, ele entrou na lista das vítimas de estupro.

Homem só entendeu que foi estuprado após muita ajuda médica

O primeiro abuso contra João ajuda a explicar o porquê tudo demorou tanto tempo. Ele tinha 9 anos quando seu irmão mais velho o molestou pela primeira vez. Depois disso, o mesmo #Crime aconteceu diversas vezes, até a fase adulta.

Além do irmão, outros dois homens, que seriam próximos a sua família, também o abusaram. Ele somente passou a entender o crime que ocorreu contra ele a partir do momento que encontrou ajuda médica. Ao conversar sobre o assunto, João entendeu que foi alvo de algo terrível.

'A gente se sente um lixo', diz estuprado ao revelar que nunca falou do assunto nem com a família

João somente topou dar a entrevista para o UOL com a condição que o seu nome e rosto não fossem mostrados.

Publicidade

Ele diz que nunca teve coragem de falar sobre esse assunto com a família.

O homem, que nos últimos anos trabalhou como segurança, diz que o sentimento é comparado à pessoa achar que é um lixo, um nada. "Já pensei em suicídio, já pensei em fazer muito mal ao meu irmão. Mas agora quero começar a viver em paz. Já estou começando", disse o homem, que agora cumpre medida socioeducativa, justamente, por conta de uma briga contra o irmão.

Homem fica frente a frente do abusador, mas perde a cabeça e é preso

João tentou fazer uma espécie de acerto de contas no passado. Ele e o irmão estavam travando uma grande discussão na rua, quando a polícia apareceu. O segurança revela que tentou argumentar com a polícia o que estava acontecendo, mas que não adiantou e ele foi preso por desacato.

Ele fez um acordo com a Justiça e, por isso, faz prestação se serviços à comunidade. Uma pena alternativa, mas que ajuda muito no papel de educar as pessoas. Após o estupro, o jovem diz que apenas quer recomeçar sua vida. #Violência