Uma mulher identificada como Cristina Pereira de Souza, 33 anos, foi encontrada já sem vida, na manhã deste domingo (2), dentro de um prostíbulo, localizado no bairro Lourival Parente, em Teresina, no Piauí. Uma equipe da Polícia Militar informou que a vítima teria sido estrangulada. O corpo também apresentava algumas perfurações de faca, havendo marcas de sangue no local.

O tenente Lauro Simeão, que comanda o policiamento de unidade do 6ª Batalhão da Polícia Militar, afirmou que outras mulheres que estavam no local garantiram que a vítima frequentava o prostíbulo com frequência. “Encontramos sangue bem ao lado do corpo da vítima, que quando chegamos a encontramos sozinha e já sem vida” afirmou o tenente.

Publicidade
Publicidade

A mãe da vítima, Francisca Marlene Pereira de Souza, 60 anos, foi interrogada pela polícia e culpou um homem pela #Morte da sua filha. “Ele deu um forte soco nela e na hora ela já caiu ao chão e o sangue começou a jorrar”, afirmou.

O corpo da vítima só foi encontrado quando uma camareira estava fazendo os serviços de limpeza de quarto. A mulher informou à polícia que, quando entrou no quarto, percebeu a vítima já no chão e sangrando pelo nariz, ouvidos e na cabeça.

Ainda segundo informações da mãe da vítima, o homem que teria tirado a vida da sua filha era cliente assíduo no prostíbulo, mas pelo fato dele já ser um cliente que nunca deu problemas, ninguém nunca procurou saber a sua verdadeira identidade. “A maioria das vezes que ele vinha aqui era para beber cerveja”, afirmou a dona do local.

Publicidade

A mãe e filho da vítima

Marlene Pereira afirmou que, além do homem e sua filha, uma outra garota de programa estava no quarto. Ela foi identificada pelo prenome Mara, mas fugiu do local antes da chegada a polícia.

A mãe da vítima ainda informou que a morte da sua filha teria ocorrido por volta das 6 horas da manhã e somente ás 10 horas teria sido notificada. “Eu estou até agora intrigada pelo fato da direção do bordel ter me comunicado da morte da minha filha apenas horas depois”, afirmou.

A vítima era mãe de um menino de 16 anos, que afirmou não saber do envolvimento da mãe com a prostituição. Ela ainda disse que acredita que a mãe teria ido para o prostíbulo apenas para consumir drogas, já que a vítima era viciada em crack.

O delegado Danúbio Dias, da Delegacia de Entorpecentes, informou que vai apurar se Cristina Pereira de Sousa estava com telefone celular no momento do assassinato, se foi chamada para o bordel, com quem estava saindo e se a morte foi acidental ou intencional. #agressão #homicídio