Um homem e duas mulheres foram presos pela polícia acusados de estupro de vulnerável na manhã da última segunda-feira (3), na cidade Santarém, no oeste do Pará. Os acusados, que não tiveram seus nomes revelados pela polícia, serão condenados por ter abusado de duas crianças, uma de 3 anos, e a outra com apenas 3 meses de idade. Segundo a polícia, uma das vítimas era abusada com o consentimento da mãe. A operação foi batizada de “Anjos da Guarda”, que prendeu um médico, uma auxiliar administrativa de 33 anos, e uma babá. Todas as prisões aconteceram nas casas dos envolvidos.

Conforme informações da delegada Andreza Alves, todos os acusados estão envolvidos em abuso sexual de vulnerável, #Pedofilia e outros crimes de natureza sexual.

Publicidade
Publicidade

Ainda de acordo com a delegada, durante o cumprimento do mando de prisão preventiva e busca e apreensão dos acusados, policiais prenderam em flagrante uma camareira de 26 anos. Os policiais encontraram no celular da mulher vários conteúdos de pornografia infantil. De acordo com a polícia, as investigações começaram há cerca de duas semanas, com o apoio da Polícia Civil e do Núcleo de Apoio à Investigação (NAI).

Imagens apreendidas pela polícia comprovam que médico e mulheres praticaram pedofilia

Andreza relata que o médico pedia para que uma das acusadas ,a baba, tocasse nas partes íntimas da vítima de 3 anos, gravasse o abuso e, em seguida, enviasse o material para ele. Ainda de acordo com Andreza, a mãe da criança de 3 meses tinha um caso amoroso com o médico. A acusada relatou que, em certa ocasião, o acusado tinha ejaculado no rosto da bebê e nos seus seios para a vítima mamar.

Publicidade

Conversas trocadas entre a mãe do bebê de três meses e o médico comprova os abusos.

Outro suspeito é preso pela polícia

No mesmo dia por volta das 10h, policiais prenderam um cantor acusado de estupro de vulnerável. A prisão do cantor é uma sentença condenatória de 2011. Segundo a delegada, todos os casos envolvem uma rede de pedofilia na localidade. Todos os envolvidos foram encaminhados para prestarem depoimentos e, em seguida, foram levados para o Instituto Médico Legal (IML) para exames de corpo de delito. Logo após, foram levados para um presídio na localidade. A polícia informou que testemunhas e as vítimas devem ser ouvidas pela polícia.

Acusadas de pedofilia e estupro são agredidas na central de triagem do presídio

Conforme informações divulgadas pela polícia, as duas suspeitas foram agredidas dentro da ala feminina da Central de Triagem por outras detentas, com pontapés e tapas. Na ocasião, ainda tiveram os cabelos cortados. #Crime #Casos de polícia