Faleceu, neste domingo à tarde, 30, o bebê Arthur, com apenas um mês. O bebê foi alvejado por tiros ainda dentro do útero de sua mãe na Baixada Fluminense, em Duque de Caxias, Rio de Janeiro, durante um tiroteio na favela. O bebê encontrava-se internado desde junho no Hospital Adão Pereira Nunes, onde lutava pela sua vida.

A informação foi confirmada pela Secretaria Estadual de Saúde. Arthur Cosme de Melo teve problemas de hemorragia digestiva intensa por volta das 5h30 e veio a óbito [VIDEO] às 14h do domingo. O corpo de Arthur foi conduzido ao Instituto Médico Legal local. Até agora não há informações sobre a data e hora do enterro do bebê.

Publicidade
Publicidade

No meio do fogo cruzado

Arthur era filho de Claudineia dos Santos Melo, 28 anos, que estava grávida de 39 semanas (nove meses), quando foi baleada na barriga no dia 30 junho, no momento em que ia ao comércio no centro de Duque de Caxias. Ela teve que ser sujeitada a um parto cesariana de urgência. A bala acertou a região pélvica da mãe do bebê, atingiu o tórax da criança e também atingiu parte de uma das orelhas de Arthur. Claudineia teve alta hospitalar no dia 6 de julho.

Diagnóstico médico

Os médicos chegaram a dizer que a criança já estaria paraplégica, mas logo depois analisaram que suas possibilidades de melhora eram boas. Naquela época, foi averiguado que a bala não atingiu o cérebro do bebê. Imediatamente na chegada ao hospital, a criança foi submetida a uma cirurgia para descompressão da medula, logo após ter feito uma ressonância nuclear magnética.

Publicidade

A ocorrência foi apurada pela 59ª Delegacia Policial (Duque de Caxias, RJ), que trabalha nas informações de que bandidos fortemente armados teriam atirado contra a Polícia Militar, que transitava no local onde Claudineia foi atingida por uma bala. Os investigadores buscam prováveis testemunhas e cenas de câmeras que sejam capazes de ajudar a desvendar os fatos.

Nota da Secretaria Estadual de Saúde

Segundo a nota, o bebê veio a falecer às 14h05 deste domingo, 30 de julho, depois de manifestar piora de seu quadro clínico, por volta das 5h30. A família da criança foi notificada e esteve no hospital pela manhã, quando foram informados a respeito da saúde de Arthur, que era gravíssima.

Todos os processos para tentar mudar o quadro foram aplicados, no entanto, não houve resposta clínica. Novamente a família foi comunicada e esteve agrupada com a liderança da UTI. O corpo da criança será conduzido ao IML, processo padrão em ocorrências de violência. #Morte #Bebês