Crimes sexuais podem acabar mexendo com uma verdadeira população. Sociedades podem ser movidas com a revolta diante de um momento difícil na vida de uma vítima. Nessa quarta-feira (5), por exemplo, um novo caso de estupro coletivo acabou mexendo com o Rio de Janeiro. O abuso coletivo teria acontecido no dia 3 e envolveu o ex-namorado da vítima, que tem 16 anos, e amigos dele. Ao todo, pelo menos 7 pessoas foram presas diante da vítima, como mostra uma matéria publicada pelo portal de notícias UOL. A garota abusada já tinha sido vítima de estupro quando tinha nove anos e teria dito várias vezes que não queria ter a relação íntima com os diversos homens.

Publicidade
Publicidade

Adolescente é vítima de estupro coletivo no Rio de Janeiro; ex-namorado e outros 6 suspeitos foram presos

Os detalhes do #Crime são realmente assustadores. O abuso coletivo teria ocorrido a apenas 100 metros de uma delegacia do Rio de Janeiro. A garota tinha acabado de sair da escola, que fica próxima à casa do ex-namorado, quando tudo ocorreu. O rapaz a convenceu de segui-lo. Como eles tiveram um relacionamento sério no passado, a dupla foi até a tal casa onde aconteceu o estupro e começou a trocar carícias. O que a garota não sabia é que na construção já existiam quatro outros homens à espera dela. O delegado que investiga o caso explicou que a garota, ao perceber a presença dos homens, pediu que a relação parasse, mas o ex não quis. Ele ainda ordenou que os "crias", que seriam os amigos no jargão da comunidade, estuprassem a moça.

Publicidade

Dois homens não consumaram ato, mas foram presos por olharem e não fazerem nada

De acordo com o delegado Renato Perez, que investiga do caso, dois dos jovens não chegaram a consumar a relação íntima forçada com a garota. No entanto, como ficaram olhando tudo e não fizeram nada, acabaram sendo presos da mesma forma. Ao chegarem à delegacia, os homens falaram sobre o caso e a polícia descobriu que pelo menos dois deles já tinham passagens pela polícia.

Presos negam estupro e argumentam que jovem transou porque quis

O delegado Renato Perez afirmou que a adolescente afirmou com muitos detalhes sobre o que teria ocorrido. No entanto, assim como sempre costuma acontecer nesse tipo de caso, os suspeitos negaram que cometeram o ato forçado. Eles alegam que a garotas estava querendo participar da ação e que não entenderam por que ela foi denunciá-los. Parentes dos presos chegaram a ir ao local e negaram que houve o crime. Houve confusão na delegacia e alguns jornalistas foram ameaçados de agressão. #Investigação Criminal